Academia Vicentina de Letras completa 11 anos com festa

Entidade promoverá atividades para comemorar a data; presidente quer incentivar participação

Comentar
Compartilhar
28 FEV 2017Por Diário do Litoral11h30

A Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios Frei Gaspar da Madre de Deus completa 11 anos em 2017. Para comemorar a data, a entidade programou uma série de atividades. Criado para unificar amantes da literatura e da arte, o órgão possui 20 cadeiras fixas, mas é aberto ao público em geral, em especial aos amantes da literatura, da educação e da arte.

“Oito mulheres se juntaram para fazer um grupo de poesias, que acabou se transformando na Academia que compreende artes plásticas, literatura e teatro. Temos 20 cadeiras. Cada cadeira recebeu o nome de um patrono que foi importante para São Vicente. A cadeira nº 1 é a de Frei Gaspar”, destacou a professora Regina Dias, uma das fundadoras, acadêmica e presidente da entidade.

A academia foi fundada em 2006. Para comemorar os 11 anos de existência, a entidade promoverá alguns eventos. “No dia 31 de março haverá uma sessão solene do aniversário de 11 anos de fundação na Câmara Municipal. Vai haver admissão de novos associados e apresentação de um grupo folclórico português”, disse Regina. No dia 1º de abril a entidade promoverá um jantar tropical musical na Associação Comercial de São Vicente.

Participação

Regina explica que, apesar de Academia dispor apenas de 20 cadeiras fixas, destinadas aos acadêmicos, a associação à entidade é livre. “Qualquer pessoa pode pedir para ser membro da Academia. No caso da cadeira é proposto que seja admitido o membro, se a pessoa tem trabalho relevante. Quando uma cadeira fica vaga abre-se um edital informando que ela está aberta. A pessoa se candidata, mostra conhecimento, e a aprovação é feita pelos acadêmicos”, explicou Regina.
Atualmente, apenas 18 das 20 cadeiras disponíveis estão ocupadas. A entidade possui 69 associados.

Visando incentivar a participação da população, a Academia promove eventos durante todo o ano. “Realizamos concurso de literatura e ­recebemos poemas do Brasil inteiro e países de língua portuguesa como Luanda, Moçambique e Portugal. No meio do ano teremos um concurso de telas e fotografias com o tema ‘Natureza Morta’. Todo o primeiro sábado do mês realizamos um sarau aberto ao público a partir das 15 horas na Casa do Barão (Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente). Quem quiser participar é só levar suas poesias e textos”, disse a ­presidente.

Regina destacou o incentivo aos artistas. “A nossa luta é que os artistas passem a realizar exposições individuais para poder valorizar o currículo”, explicou Regina. A entidade firma parceria com shoppings e espaços para a realização das exposições.