74 candidatos já assinaram Compromisso com os Direitos LGBTI+

Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL) são os dois presidenciáveis que assinaram o Termo como pessoa aliada.

Comentar
Compartilhar
19 AGO 2018Por Caroline Souza11h49
Em comparação com as eleições de 2014, o número de candidatos transexuais, por exemplo, é mais que o dobroEm comparação com as eleições de 2014, o número de candidatos transexuais, por exemplo, é mais que o dobroFoto: Rovena Rosa/AB

Setenta e quatro candidatos já assinaram Termo de Compromisso com os Direitos LGBTI+, segundo dados coletados pela Aliança Nacional LGBTI+, uma ONG de promoção e defesa dos direitos humanos e cidadania, em especial da comunidade LGBTI+. As informações foram divulgadas na Plataforma LGBTI+ Eleições 2018, lançada oficialmente na última quinta-feira (16).

Dentre os que registraram seu compromisso com as propostas da ONG, 39 são LGBTI+ e 35 são aliadas. Destes, dois concorrem ao cargo de Presidente, dois ao Senado, vinte ao Legislativo Federal, 46 ao Legislativo Estadual e quatro aos Governos Estaduais. A meta é chegar à 200 candidaturas.

Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL) são os dois presidenciáveis que assinaram o Termo como pessoa aliada. Também assinaram como aliados os candidatos ao Senado Antonio Neto (PDT) e Daniel Cara (PSOL).

Entre as pessoas LGBTI+, estão as seguintes identidades de gênero: uma pessoa agênera, 19 homens cisgêneros, um homem trans, sete mulheres cisgêneras e onze mulheres trans. 

Ainda segundo os dados da Aliança Nacional LGBTI+, em relação às orientações sexuais deste mesmo grupo, três são bissexuais, 17 gays, oito heterossexuais, oito lésbicas, dois pansexuais e uma outras. 

“É importante lembrar que orientação sexual é diferente de identidade de gênero, por isso temos pessoas trans heterossexuais entre a contagem”, afirma o diretor presidente da ONG, Toni Reis, que também é responsável por coordenar a plataforma.

Em comparação com as eleições de 2014, o número de candidatos transexuais, por exemplo, é mais que o dobro, quando apenas seis se candidataram, sendo quatro para Deputado Estadual e dois para Deputado Federal. 

“Nos alegra o número elevado de candidaturas trans”, comemora Reis. “É fundamental não termos medo da política, não criminalizá-la, não demonizá-la, e sim fazer o diálogo transparente, ético e aberto com as candidaturas de pessoas LGBTI+ e de pessoas aliadas que se comprometeram com a nossa Plataforma”, completa. 

O coordenador de comunicação, Humbero Souza, explica que “a Plataforma não é apenas um levantamento de candidaturas LGBTI+, mas de compromisso com esta pauta”. Segundo ele, quem não aderir à Plataforma Mínima proposta não entra na lista.

Além de Toni Reis, a Plataforma é dirigida por Claudio Nascimento, coordenador de Políticas Públicas e por Irina Bacci, coordenadora de Direitos Humanos. A Plataforma é atualizada a cada três dias e pode ser consultada no site www.aliancalgbti.org.br/eleicoes2018.