44% das praias da Baixada Santista estão impróprias

Segundo a Cetesb, das 68 praias da Região, 30 estão sujas. Santos, Praia Grande e São Vicente têm os piores índices.

Comentar
Compartilhar
29 DEZ 201209h57

Munícipes e turistas precisam tomar cuidado na hora de escolher a praia onde vão pular as sete ondinhas. 44%das praias da Região estão impróprias para banho. Santo e São Vicente são as mais sujas: todas as praias das cidades são inapropriadas.

Praia Grande, que tem o maior número de praias da Região (12), vem em seguida. Apenas a praia Flórida está própria para banho, ou seja, 90,9% das praias estão sujas. No Guarujá,das 11 praias, três estão impróprias para banho: Enseada (Rua Chile), Perequê e Astúrias.Em Bertioga, das nove praias espalhadas pela cidade, três não estão com a bandeira vermelha: Enseada (Vista Linda), Enseada (Col. Sesc)e Enseada (Rua R. Costabili).

A bandeira vermelha da Cetesb indica praia suja. Todas as praias de Santos e São Vicente estão impróprias para banho. (Foto: Luiz Torres/ DL)

Quem quiser tomar um banho de mar nos primeiros dias do ano, precisa ir para o lado sul do Litoral Paulista. Peruíbe, Itanhaém e Mongaguá estão com 100% das praias limpas. O Rio Perequê, em Cubatão, também está com bandeira verde.Os dados de balneabilidade da Baixada são divulgados no site da Cetesb. A últimaa mostragem aconteceu entre os dias 18 de novembro e 16 de dezembro.

No início deste mês, o Diário do Litoral publicou o resultado do levantamento da Cetesb: a maioria das praias foi classificada como ruim.

Riscos de doenças

A bandeira vermelha deve significar um alerta para o turista ou morador da Região que pensa em se banhar. A bióloga Carla Pinto alerta para os riscos à saúde do banhista que insiste em nadar no mar impróprio. Segundo ela, o mais comum é acontecer uma inflamação do estômago chamada gastroenterite.Os sintomas mais aparentes são vômito e diarreia. Além disso, o banhista pode contrair doenças de pele, hepatite A e até mesmo cólera.

“É importante que a pessoa que quiser nadar, entre no site da Cetesb (www.cetesb.sp.gov.br) para então decidir seu destino”, ressalta Carla.