220 alunos sob teto condenado em creche de Cubatão

Ex-funcionária denuncia irregularidades; Prefeitura afirma que há fiscalização frequente.

Comentar
Compartilhar
17 JAN 201311h17

Quando você imagina a creche onde o seu filho estuda você pensa em um ambiente acolhedor, cortinas com enfeites infantis, brinquedos educativos espalhados, salas de aula arrumadas e um berçário aconchegante, assim como o que o seu filho tem em casa. Pena que para as mães que deixam seus filhos na Creche Mãe Maria, em Cubatão, a realidade é diferente.

Quem precisa trabalhar todos os dias sabe que a situação é outra. A reportagem do Diário do Litoral recebeu a reclamação de uma ex-funcionária — que preferiu não se identificar para não sofrer represália — denunciando a falta de estrutura da escola, que pertence a Fortec e é conveniada com a Prefeitura de Cubatão. “Falta comida para os alunos, falta material didático, falta papel higiênico, faltam produtos de limpeza. Muitas vezes, os professores precisam levar material para poder dar aula ou então é pedido para os pais”, denuncia.

No entanto, segundo a denunciante, falta de material está longe de ser o maior problema da escola. “Quando chove tem goteira em todo canto da escola, sai água pela luminária, o teto está caindo, há rachaduras grandes espalhadas pelas paredes. Tem sala que está interditada, mas é usada do mesmo jeito. Não tem sala suficiente para todas as turmas”, reclama. A ex-funcionária afirmou que o teto da escola já foi condenado e que a Vigilância Sanitária encontrou focos do mosquito da dengue em toda a escola. “Quando um fiscal da Prefeitura vai até a creche, elas (não identificadas) encobrem tudo”, acusa a ex-funcionária. 

Creche Mãe Maria - Prédio pertence ao grupo Fortec. (Foto: Matheus Tagé/ DL)

E não para por aí. “A escola recebe doação de alimentos, mas estraga tudo e eles jogam fora. Não há banheiro separado. Meninos e meninas usam o mesmo banheiro, o que constrange os alunos. Além disso, tem uma câmera no banheiro onde as crianças e os funcionários se trocam. Sem falar na sujeira que atrai lacraias, baratas e ratos. Tem gato que entra na escola e faz suas necessidades nas salas de aula. Sem falar nas questões trabalhistas, professores que trabalham além do horário, funcionários com múltiplas funções e pouco professor para muitos alunos, aproximadamente 200. Boa parte é enviada pela Prefeitura, mas a gente sabe que tem crianças que são matriculadas pelo particular”, denuncia. A reportagem ligou para a secretaria da creche e eles informaram que todos os alunos são encaminhados pela Secretaria de Educação do Município (Seduc).

Convênio

Por meio de nota, a Prefeitura de Cubatão informou que a creche Mãe Maria é particular, cabendo à entidade mantenedora toda a manutenção das instalações. “A própria denúncia feita mostra indiretamente a ação fiscalizadora da Prefeitura, ao citar a presença da Vigilância Sanitária, que de fato esteve no local, determinando providências como a colocação de telas protetoras na cozinha. Depois, a chefia do setor de Creches compareceu ao local, constatando que essas providências haviam sido tomadas. Também foi constatada a realização do conserto de uma telha quebrada, conforme havia sido solicitado pela fiscalização municipal, cerca de seis meses atrás”, explica. Segundo a Administração Municipal, não há salas interditadas no local.

Em relação aos colchonetes, a Prefeitura informou que ao receber essa informação, há alguns meses, a Seduc enviou representante ao local, que fez a contagem dos colchonetes e constatou um número suficiente para todos os atendidos.

A Prefeitura afirmou ainda que, além das fiscalizações normais quanto à manutenção das instalações, é feita também uma fiscalização pedagógica, que não tem constatado problemas no estabelecimento. Mesmo assim, diante da denúncia, a Prefeitura deverá realizar novas inspeções, a partir do reinício do período de atendimento.

A Fortec, responsável pela creche Mãe Maria, foi procurada na tarde de ontem, mas, até o fechamento da edição, não enviou resposta.

Denúncia - Ex-funcionária registrou teto de sala de aula. (Foto: Divulgação)

Bolsa-Creche

O programa Bolsa-Creche consiste na realização de convênios com creches particulares já existentes no Município como a creche Mãe Maria, em que a Prefeitura repassa uma quantia por aluno matriculado. A Municipalidade efetua os repasses equivalentes ao número de crianças matriculadas em cada estabelecimento. São R$ 440,00 por aluno em período integral e R$ 300,00 por aluno em período parcial. Em média, são 120 alunos enviados à Creche Mãe Maria para período integral e 100 para o parcial, sendo que no último mês (dezembro de 2012) esta creche atendeu a 224 alunos enviados pela Prefeitura.