20º Salão de Artes Plásticas de Praia Grande expõe obras de todo País

A mostra artística acontece no Palácio das Artes. O salão é resultado de uma seleção que envolveu mais de 900 obras de 303 artistas

Comentar
Compartilhar
25 OUT 201320h33

Amantes de arte e cultura em geral têm como opção de lazer uma visita ao 20º Salão de Artes Plásticas de Praia Grande, que foi aberto oficialmente ao público na noite de quinta-feira (25). A mostra artística acontece no Palácio das Artes, localizado na Avenida Presidente Costa e Silva, 1600, Bairro Boqueirão, e pode ser conferida de terça-feira a sábado, sempre das 14 às 18 horas, até o dia 14 de dezembro. O salão é resultado de uma seleção que envolveu mais de 900 obras de 303 artistas, feita por um júri composto por nomes referência quando o assunto é arte contemporânea brasileira. A visitação da exposição é gratuita.

Esta edição do Salão de Artes Plásticas conta com mais de 90 obras, de 33 artistas, entre esculturas, desenhos, fotografias, pinturas, gravuras e colagens. A seleção das obras foi dividida em duas etapas. A primeira contou com a avaliação das fotografias das peças. E na segunda o corpo de jurado analisou as obras e selecionou as que iriam compor o Salão, além das três primeiras colocadas que receberam a seguinte premiação: R$ 8.000,00 para o 1º lugar, R$ 5.000,00 para o 2º lugar, R$ 4.000,00 para o 3º lugar.

O júri desta edição foi composto pelos seguintes profissionais: o mestre e doutor Cauê Alves (um dos curadores do 32º Panorama da Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo e curador adjunto da 8ª Bienal do Mercosul); a pós-doutorada em Artes e mestre em História da Arte, pela University of Illinois (EUA), Paula Braga; e o mestre e doutor em artes, formado pela Universidade de São Paulo (USP), João Spinelli.

Presente no evento de abertura, o secretário de Cultura e Turismo de Praia Grande Carlos Ananias Lobão afirmou que o salão é um convite para a reflexão. “As obras retratam um recorte da realidade, faz o público pensar nos detalhes e o que eles refletem na nossa vida”. Lobão destacou a importância do evento para a cultura da Cidade. “A procura de artistas que se inscrevem para participar do salão sempre aumenta. Isso mostra o reconhecimento que o salão tem adquirido ano a ano junto à comunidade artística e aos amantes da Cultura”.

A mostra artística é gratuita e reúne obras de todo País (Foto: Divulgação)

Artistas

Dentre os artistas com obras expostas no evento, Ricardo “Rag” Luiz de Aguiar, de 45 anos, era um dos mais emocionados. O artista paulistano conseguiu a 3ª colocação no Salão de Artes com a série de pinturas chamada “Bandeiras”. “São imagens sobrepostas, utilizando bandeiras dos países que se encontram em conflitos políticos, religiosos ou ideológicos. A minha intenção é que o público reflita sobre a igualdade e o que significa a identidade de um país”, explicou.

Um dos selecionados foi João Marcelo Araujo de Melo, 32 anos, que retratou de forma artística em sua pintura a orla de Santos. “Sou de São Paulo, durante muito tempo morei na Austrália, então quando visitei a Baixada Santista eu me apaixonei pelo o que vi. E a orla de Santos, com as suas barracas coloridas, fazem um contraste muito interessante com o lindo céu da Cidade”, afirmou.

Andrey Zignnatto, de 32 anos, de Jundiaí, retratou em sua escultura a experiência que teve em uma olaria de tijolos, onde estabeleceu sua residência artística há três anos. “A obra é feita a partir da manipulação do maquinário de empresa, onde um objeto comum como o tijolo, se transforma em formas abstratas. O trabalho faz o público refletir sobre o que é arte a partir desta estranheza inicial”.

Autora da obra “Devaneio”, Helena Rodrigo Küller, 23 anos, produziu o trabalho enquanto estudava Artes Plásticas na Universidade de São Paulo (USP). “É uma obra acadêmica que mistura pinturas e colagens. Utilizando um livro escrito na língua alemã como base, eu o reinventei, acrescentando ao trabalho recortes da minha vida como, por exemplo, o passaporte de minha bisavó alemã. É um pouco de mim, mas que, com certeza, vai fazer com que o público também reflita sobre si mesmo”.

O artista Tchelo, 45 anos, analisou seu trabalho como um desenho de processo. “Minha pintura não tem a intenção de mostrar um resultado final, mas sim apresentar ao público todo o trabalho de sua produção. O que eu quero que o público reflita é que o processo das coisas é tão ou mais importante que o resultado final”, conclui.

Quem visitou o primeiro dia do 20º Salão de Artes Plásticas também pôde interagir com os artistas e conferir suas obras, como fez a aposentada de Praia Grande Marilu Mafalda Cruz Cuencas Dias, 74 anos. “Adoro tudo o que é relacionado a cultura e o Salão de Artes é isso, cultura de qualidade e gratuita. A Prefeitura de Praia Grande está de parabéns pelo evento. Voltarei todos os anos”, afirmou.

Histórico

Iniciado em 1989 (com um recesso de suas atividades entre os anos de 2005 e 2010), o Salão de Artes Plásticas ganhou credibilidade por premiar obras representativas no cenário artístico de cada época. No ano passado, na 19ª edição, artistas de todo o País se inscreveram para participar do processo seletivo, que selecionou 90 obras no total.