15 mil famílias precisam atualizar CadÚnico

Cadastro deve ser regularizado a cada dois anos. Caso contrário, os benefícios podem ser bloqueados

Comentar
Compartilhar
04 SET 2019Por Vanessa Pimentel11h45
O CadÚnico dá acesso aos programas sociais do Governo Federal, como Bolsa FamíliaFoto: Jefferson Rudy/Agência Senado

As cidades de São Vicente, Mongaguá, Cubatão, Guarujá, Bertioga e Praia Grande somam 15.690 mil famílias inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) que precisam atualizar os dados cadastrais. Para regularizar a situação, basta procurar um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) mais próximo de sua residência. O registro deve ser atualizado a cada dois anos, obrigatoriamente; caso contrário, os benefícios podem ser bloqueados.

O CadÚnico dá acesso aos programas sociais do Governo Federal, como Bolsa Família, Tarifa Social de Energia Elétrica, Identidade Jovem, Carteira do Idoso, Benefício de Prestação Continuada (BPC), entre outros.

O cadastramento identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, permitindo que o governo conheça melhor a realidade socioeconômica dessa população. Dentre as informações registradas estão identificação pessoal, características da residência, escolaridade, situação de trabalho e renda.

NA REGIÃO.

A Reportagem questionou as prefeituras das nove cidades da Baixada Santista para saber o número de famílias que precisam atualizar os dados. Das cidades que responderam, Guarujá é o município com mais pessoas em débito com o CadÚnico: são mais de cinco mil famílias.

Segundo a assistente social da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social de Guarujá (Sedeas), Regiane Rosa, sempre que houver alguma mudança é necessário atualizar as informações. "Se ocorrer algum nascimento ou morte de alguém na família; saída de um integrante para outra casa; ou mesmo a mudança de endereço, o beneficiário precisa cadastrar as novas informações", afirmou. Ainda que nenhum dado tenha sido alterado, é importante informar o Cad. a cada dois anos.

São Vicente vem em seguida com 3.894 famílias nesta situação; depois Praia Grande, com 2.500; Mongaguá, com 1.760; Bertioga, com 1.436 e Cubatão com 1.100.

BENEFICIADOS.

Em relação ao município com maior número de famílias beneficiadas pelos programas do CadÚnico, São Vicente vem em primeiro com 21.501 famílias inscritas. Santos é a segunda com 20.749 e Itanhaém vem em terceiro com 18.281.

BAIXA RENDA.

O objetivo do cadastramento é beneficiar famílias que tenham rendimentos mensais de meio salário mínimo por membro familiar, até famílias que tenham renda familiar conjunta máxima de três salários mínimos.

Praticamente todos os programas sociais do governo federal usarão a base de dados do cadastro único.

Para se inscrever, é preciso que uma pessoa da família se responsabilize por prestar as informações de todos os membros da família para o entrevistador. Essa pessoa — chamada de Responsável pela Unidade Familiar (RF) — deve ter pelo menos 16 anos e, preferencialmente, ser mulher.

O Responsável Familiar é quem poderá garantir que as informações comunicadas durante a entrevista sejam verdadeiras, além de se comprometer a atualizar o cadastro sempre que houver mudanças na família.

Um dos programas mais procurados é o Bolsa Família, que transfere determinado valor para famílias em situação de pobreza extrema.