15 cidades do País têm um carro para cada 2 habitantes

Levantamento comparou números da frota nacional do Denatran com a estimativa populacional do IBGE deste ano

Comentar
Compartilhar
22 JAN 201323h24

Existe um carro para cada dois habitantes em 15 das cidades mais populosas do Brasil. A constatação vem do cruzamento de dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado por reportagem do site da Globo.com, o G1.

A reportagem levantou os registros de todas as capitais brasileiras e cidades com mais de 400 mil habitantes, totalizando 58 municípios. A reportagem utilizou os dados mais recentes da frota nacional (referentes a maio de 2009) e da estimativa populacional do IBGE (realizada neste ano).

Conforme apurou a reportagem, quatro cidades têm um veículo para cada 1,6 habitante: Curitiba (PR - 1,8 milhão de habitantes), Goiânia (GO - 1,2 milhão de habitantes), e nas cidades paulistas Ribeirão Preto (563 mil habitantes) e São José do Rio Preto (419 mil habitantes).

Florianópolis (SC), Campinas e Santo André (SP) têm um veículo para cada 1,7 habitante. A Capital paulista tem um para cada 1,8 habitante. A cidade de Santos, na Baixada Santista, possui 218 mil veículos para cada 417 mil habitantes, ou seja, um veículo para casa 1,9 habitante.

Têm a mesma proporção ainda Caxias do Sul (RS), São Bernardo do Campo (SP) e Londrina (PR). Joinvile (SC), Palmas (TO) e Sorocaba (SP) têm exatamente um veículo para cada dois moradores.

As capitais Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Porto Alegre (RS), por exemplo, registram um veículo para pouco mais de dois habitantes. Para Maurício Broinizi, coordenador-executivo do Movimento Nossa São Paulo, entidade que atua pela redução do uso de veículos na Capital paulista, é preciso considerar que parte dos veículos informados pelo Denatran não está mais em circulação.

"Os Detrans (Departamentos Estaduais de Trânsito) têm grande dificuldade em dar baixa nos veículos fora de circulação. Ainda assim, um veículo a cada dois habitantes é muita coisa. Se considerar a população total, não somente a adulta que tem carta de motorista, temos um número exagerado de automóveis." Broinizi afirma que a única solução para reduzir a quantidade de automóveis em circulação é a melhoria do transporte público coletivo.