12 candidatos na disputa pela cadeira de governador

Desses, a maioria – 11 candidatos – está disputando pela primeira vez o cargo de governador

Comentar
Compartilhar
16 AGO 2018Por Da Reportagem12h00
12 candidatos na disputa pela cadeira de governador12 candidatos na disputa pela cadeira de governadorFoto: Fotos Públicas/Divulgação

No primeiro turno das Eleições de 2018, marcado para o próximo dia 7 de outubro, o eleitor paulista poderá escolher entre 12 nomes para ocupar o Governo do Estado de São Paulo. 

A Gazeta de S.Paulo, que integra o mesmo grupo de comunicação do Diário do litoral, traz nesta edição a primeira parte do “Álbum das Eleições 2018” com o perfil de cada um dos candidatos oficializados nesta quarta-feira no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), data em que terminou o prazo para os partidos oficializarem as candidaturas. 

Estão no páreo pela cadeira no Palácio dos Bandeirantes Adriano Costa e Silva (DC), Cláudio Fernando Aguiar (PMN), Edson Dorta (PCO), João Doria (PSDB), Lisete Arelaro (PSOL), Luiz Marinho (PT), Marcelo Cândido (PDT), Márcio França (PSB), Paulo Skaf (MDB), Rodrigo Tavares (PRTB), Rogério Chequer (Novo) e Toninho Ferreira (PSTU).

Desses, a maioria – 11 candidatos – está disputando pela primeira vez o cargo de governador. Somente o emedebista Paulo Skaf tentou o Palácio dos Bandeirantes em oportunidade anterior. Ele já foi candidato outras duas vezes, em 2010 e 2014.

Ainda assim, algumas figurinhas já são conhecidas do eleitor paulista. Caso do ex-prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), do ex-prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT) e do atual governador do Estado, Márcio França (PSB). Os candidatos têm, em média, 52 anos. Os mais novos, com 37 anos, são Cláudio Fernando Aguiar (PMN) e Rodrigo Tavares (PSL).  A candidata mais velha é Lisete Arelaro (PSOL), com 73 anos, única mulher na disputa. Em compensação, entre os vices, oito são mulheres. A maioria dos candidatos é natural do Estado de São Paulo. Somente Toninho Ferreira (PSTU) é de Minas Gerais. 

Campanha

A partir de hoje já é permitida a propaganda eleitoral, mas é no próximo dia 31, quando começa o horário eleitoral gratuito nas emissoras de rádio e televisão, que o eleitor poderá conhecer melhor a proposta dos candidatos e escolher uma figurinha para completar o seu álbum. 

Outra ferramenta que será poderosa na eleição é a internet. Os eleitores podem pesquisar sobre o passado dos candidatos, suas propostas e seus ideais, mas é preciso tomar cuidado com os boatos, as famosas “fake news”, que espalham notícias falsas. Por isso, uma boa dica para o eleitor é usar como fonte somente sites de notícias confiáveis, com conhecida idoneidade e credibilidade, já que estará em questão a escolha do próximo administrador de São Paulo.

Os governadores chefiam o poder Executivo estadual durante quatro anos. Vence o candidato que tiver 50% dos votos mais um. Caso nenhum postulante chegue a esse total, os dois mais votados disputam o segundo turno, onde o vencedor é declarado por maioria simples. 

31 milhões de eleitores

O estado de São Paulo tem cerca de 45 milhões de habitantes e é o maior colégio eleitoral do País, com 31.253.317 eleitores, que representam 22% do eleitorado nacional (140.646.446 aptos).

Somente na Capital há 8.619.170 votantes, o que significa que a cidade de São Paulo tem mais eleitores que 23 dos estados brasileiros. Borá, município na região sudoeste de São Paulo, tem o menor número de inscritos: apenas 1.071.

O candidato que for eleito governador terá que administrar o maior orçamento do País.