Contraponto

  •  

    Sem registro

    O parlamentar comentou que escutou relatos sobre o fato de operários da empresa contratada para a reforma da praça estarem trabalhando sem registro por mais de três meses, além dos atrasos no pagamento do salário. Segundo o parlamentar, é preciso indagar a Caixa Econômica Federal (CEF), responsável pela fiscalização das obras e do pagamento dos profissionais, sobre a veracidade dessas denúncias. Além disso, o vereador do PRB cobrou o andamento da reforma na praça, uma vez que o prazo prometido para o término das obras não foi cumprido. O secretário municipal de Obras, Benaldo Melo de Souza, será convocado para dar satisfações sobre a questão levantada na CEI.

  • sexta
    30 de novembro
  •  

    Cueca preocupa

    Uma das grandes preocupações dos vereadores de Santos na audiência pública que discutiu a situação da população de rua da Cidade foi exposta pela vereadora Audrey Kleys (PROG). A combativa parlamentar santista se mostrou estarrecida pelo fato que presenciou na orla da praia, onde um homem transitava pelo calçadão de cueca, empurrando um carrinho que supostamente teria retirado de um supermercado. “Precisamos criar ferramentas para nos defender dessa situação inaceitável”, destacou. Será que a cueca era mais importante que as situações degradantes as quais essas pessoas são submetidas todos os dias?

  •  

    Adoro a rua

    A lista de horrores continuou: o vereador Chico Nogueira (PT) elencou as dificuldades causadas por essas pessoas que, de acordo com ele, ‘vão se colocando nas ruas da cidade’ e pediu solução dos outros entes federativos. “O governador também deve ser cobrado, pois quando destruiu a cracolândia muita gente desceu a serra”, completou. Deve ter muita gente que adora o barato de descer a serra, se colocar nas ruas e cheirar cola.

  •  

    Sadao bairrista

    Na visão ‘ingênua’ de Sadao Nakai (PSDB), o povo santista está pagando pela despesa de ter pessoas de outras cidades nas ruas. Realmente, Santos é a melhor cidade para se viver. Se dá ao luxo de gastar R$ 600 mil para reconstruir muro de cemitério e se incomoda com quem vaga pelas ruas como mortos em vida.

  •  

    Varal público

    Para o vereador Fabrício Cardoso (PSB), a situação ultrapassou o limite do bom senso. “Os locais públicos não podem ser utilizados de forma privada. Não pode montar uma barraca e montar um varal. É preciso pulso firme e soluções efetivas”. Esta coluna sugere uma lei criando varais públicos, desde que não sejam na orla e no Gonzaga, onde os parlamentares gostam de passear.

  •  

    Rui preocupado

    O vereador Rui de Rossis (MDB) levantou o tom de voz e se mostrou preocupado com uma possível ‘invasão de domicílio: “algo tem que acontecer, pois daqui a pouco teremos que sair de nossas casas para dar lugar a essas pessoas”. E ele continuou: “baixa a tua bola. Baixa a tua bola porque aqui tu não é dono de nada”, disse se dirigindo a um homem em situação de rua. Ora, a Câmara não é a Casa do Povo, inclusive, o de rua?

  •  

    O cristão

    Geonísio Aguiar, o Boquinha (PSDB), não se aguentou. “Eu sou cristão e membro da sociedade. Mas a sociedade não é culpada. Não podemos fazer esse discurso. A sociedade de Santos não é culpada e está se incomodando com tanta gente aqui”. A contraponto gostaria de saber o que Boquinha quis exatamente dizer ao pronunciar a palavra ‘gente’.

  •  

    Telma de Souza

    A vereadora Telma de Souza (PT) lembrou bem: “esse discurso de que existem marginais nessa população não se justifica, pois há marginais em todas as classes sociais. O que não podemos é varrer uma população que é tratada como a lata de lixo justamente porque não se fez política pública de forma correta”.

  • quinta
    29 de novembro
  •  

    Escola

    O presidente da Câmara de Guarujá, vereador Edilson Dias (PT-foto) está comemorando que no próximo dia 7, das 9h30 às 17h30, a Escola do Legislativo de Guarujá (ELG) receberá o 4º Encontro Estadual das Escolas do Legislativo e de Contas do Estado de São Paulo. A realização é da Associação Paulista das Escolas do Legislativo – APEL. A abertura solene ocorrerá às 10h com o presidente da Apel, Roberto Lamari, e o Dias, que também preside a ELG.

     

  •  

    Palestras

    Ainda na parte da manhã, haverá palestra sobre Educação Política com o professor doutor Luis Flavio Gomes. Já no período da tarde, ocorrerá uma palestra sobre “Como fazer um Projeto Político Pedagógico”, com a professora doutora Fatima Thimoteo, e ainda apresentações das atividades das escolas de Cubatão, Piracicaba, Itapevi, Sorocaba e Guarujá, que ficou em terceiro lugar no Prêmio Boas Práticas Legislativas, com o projeto Aprendiz Cidadão e também falará sobre os Programas Câmara Jovem e Câmara no Bairro.

  •  

    Cidadania

    Para o vereador Edilson Dias, a atuação das Escolas do legislativo é muito importante e tem contribuído efetivamente para aproximar a população da Casa de Leis, além de estimular o exercício da cidadania. Em todo o Estado de São Paulo, com 645 municípios, existem aproximadamente 30 Escolas do Legislativo.

  •  

    Boquinha

    O vereador Geonísio Pereira Aguiar, o Boquinha (PSDB) está em tratativas com o prefeito Paulo Alexandre e, ao mesmo tempo, com a Santa Casa de Misericórdia e Ministério Público do Trabalho (MPT) visando um acordo para que os alunos do Escolástica Rosa não sejam prejudicados na ‘guerra pessoal’ entre Santa Casa e MPT. “Nós temos que ser solidários aos nosso alunos que não podem continuar sofrendo com toda essa situação”, afirma.

  •  

    Idosos

    O presidente da Câmara de Santos, vereador Adilson Junior (PTB), apresentou requerimento questionando a disponibilidade de vagas para repúblicas e clínicas para idosos do Município. “O IBGE aponta que dentro de 20 anos o número de idosos no Brasil vai ser maior que de jovens e adolescentes. É importante a preocupação desde já com essa geração”, afirma. Ele  acrescenta que “a terceira idade representa 22% da população de Santos e a solicitação ao executivo indaga informações sobre as políticas públicas focadas no atendimento e cuidado dos idosos e os planejamentos para ampliá-las”.

Colunas

Contraponto