X

Tintos e Tantos Outros, o sabor e o saber do vinho

Suave não é doce e reservado não é de reserva

Foto: Divulgação
 
Aprecio uma taça de vinho e aprecio descobrir curiosidades sobre esta bebida. Não me canso de nenhuma destas apreciações. Assim conto para vocês que existe uma diferença muito grande entre os vinhos denominados “suaves” (de mesa) e os “finos” (doces). É que produzidos com as uvas europeias, os vinhos finos são naturalmente adocicados pela própria glicose da uva e por causa disso. Já os vinhos suaves, recebem adição de açúcar, uma vez que são produzidos com uvas americanas que não possuem a substância natural adoçante, fazendo, todavia, com que percam qualidade. Situação que ocorre nas vinícolas da Região Sul do Brasil.
 
Outra informação útil: não se deixe enganar pelas palavras. Quando encontrar vinhos rotulados com o termo “vinho reservado”, lembre-se que se trata de uma jogada de marketing, já que o termo não significa qualidade superior, e são na verdade os mais simples da vinícola. Já os “vinhos de reserva” são os produzidos seguindo critérios bem definidos como maceração especial e extremo respeito com o tempo necessário para que o sabor chegue ao ponto ideal, como tempo em que ficou em tonéis, de carvalho ou de aço, como os Gran Reserva que ficam por até 24 meses.
 
“Dizem que leite de idoso é vinho tinto”
Autor desconhecido

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Lula cobra BNDES, BB e Caixa para investirem na cultura brasileira

'A cultura gera emprego, de forma que ela não seja para poucos e sim para todos', declarou o Presidente

Nacional

'Há sobras de caixa para investirmos em Cultura', diz Presidente da Petrobrás

Ele ainda comentou, que desde o inicio do governo Lula estão sendo pensado projetos que já somam R$ 150 milhões investidos pelo patrocínio da Petrobras

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter