X
Repórter da Terra

Negacionismo climático derrubou exportação de carne em 43%. Próximos alvos: café e soja

Desde setembro, a China proibiu a importação de carne bovina brasileira. E os Estados Unidos sinalizaram nesta semana que também vão vetar o produto. Nos dois casos, o boicote é mais uma questão diplomática que sanitária, uma reação aos recordes no desmatamento da Amazônia e do Pantanal, e uma resposta à desastrada política externa do Governo Bolsonaro. Resultado: só na primeira quinzena deste mês as exportações de carne bovina caíram 42,9% na comparação com novembro de 2020. Agora, foi a União Europeia (UE) que anunciou um plano para banir alimentos produzidos em áreas desmatadas. E isso inclui até o desmatamento considerado legal pelos países exportadores. O projeto terá tramitação prioritária no Parlamento e no Conselho Europeu.

O raciocínio é que boicotar soja, carne, cacau e café produzidos sobre toda e qualquer floresta desmatada, seja ela nativa ou plantada para extração de madeira, é a forma mais eficaz de conter o avanço de lavouras e pastagens sobre as árvores. Na avaliação dos europeus, banir apenas alimentos produzidos em áreas de desmatamento ilegal incentivaria países como o Brasil a afrouxar suas leis de proteção ambiental.

A regra é retroativa a 1º de janeiro de 2021 e classifica os países exportadores em três categorias, conforme seus antecedentes na derrubada de florestas. E os importadores terão de promover uma dupla auditoria para atestar a origem dos alimentos.

Desde outubro, o vice-presidente Hamilton Mourão sabia que a UE retaliaria o negacionismo ambiental brasileiro. Mas, os europeus ainda esperaram um possível anúncio de ações concretas de combate ao desmatamento durante a Conferência da ONU sobre o Aquecimento Global (COP 26), no início deste mês, o que não aconteceu.

A soja é o principal produto de exportação do Brasil. O País também é o maior exportador mundial de carne. Portanto, a nova regra pode provocar uma crise semelhante à de 1931, quando Getúlio Vargas teve de comprar com dinheiro público e depois queimar 80 milhões de sacas de café para evitar a falência de milhares de fazendeiros. A fogueira durou meses e chamuscou a economia paulista e o Porto de Santos, maior exportador de café do mundo...

Rota do Café, Cachaça e Queijo...

Não é só tomar uma cachaça, é sentir sabores e aromas em uma fazenda com mais de 200 anos de história. Não é só beber um café, é degustar uma alquimia feita com 'a melhor água mineral do mundo'. Nem é só comer um queijo, é desfrutar da magia que transforma leite em preciosos pedaços de eternidade...

...na montanha que toca o céu

Essa aventura começa em dezembro, na Serra da Mantiqueira, a montanha erguida por Tupã para conter a paixão do sol pela mais linda índia guarani. O pacote turístico-gastronômico parte de São Lourenço, no sul de Minas Gerais, e inclui cidades como Maria da Fé, Carmo de Minas, Itanhandu e Passa Quatro.

Filosofia do campo:

"Somos madeira que apanhou chuva. Agora não acendemos nem damos sombra. Temos que secar à luz de um sol que ainda há. E esse sol só pode nascer dentro de nós", Mia Couto, escritor moçambicano em 'O Último Voo do Flamingo'.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

GUERREIRA

Itanhaém: catadora de recicláveis faz objetos para se manter

Há cerca de 25 anos, desde 1996, ela recolhe o material reciclável nas ruas, quando veio de São Paulo para morar em Itanhaém

REPROVADO

Válter Suman veta Vaquejada em Guarujá

Proposta de autoria do vereador Fernando Martins dos Santos (PSDB) havia passado na Câmara

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software