X
Repórter da Terra

Bolsonaro abre mão de R$ 700 milhões em impostos para manter privilégios do agro

O Ministério da Economia resolveu abrir mão de R$ 700 milhões em impostos para tentar conter a inflação. A medida anunciada na quinta-feira zerou a tarifa de importação sobre carne bovina, frango, milho, trigo e biscoitos. Analisando de maneira superficial, essa decisão parece benéfica para a sociedade porque pode ampliar a oferta de alimentos no País e, com isso, reduzir a carestia. Porém, ela consagra é o interesse do agronegócio, em prejuízo dos cofres públicos, afinal, o Brasil é o maior exportador de carne bovina e de frango no mundo. Mais: as exportações de milho baterão recorde em 2022.

Ou seja, o Brasil exporta milho, carne e frango para, depois, importar de volta!

E sem imposto!

Assim, fazendeiros e agroindústria continuarão faturando bilhões, em dólar!

E o governo abrirá mão de recursos que deveriam ser investidos em saúde, educação, segurança pública...

Essa farra ocorre porque Bolsonaro se nega a impor limites no envio de alimentos para o exterior.

A criação de cotas aumentaria a oferta interna de carne, milho e frango, com impacto direto na inflação.

Mas, o governo prefere transferir renda da sociedade como um todo para o bolso de seus apoiadores do agronegócio...

E os R$ 700 milhões poderiam ser usados na recomposição dos estoques reguladores da Companhia Nacional de Abastecimento, política pública adotada na década de 1940 que garantiu o abastecimento regular de alimentos no País.

Os estoques da Conab também permitiriam um controle maior nos preços, como aconteceu nos picos inflacionários dos anos 1970 e 1980.

Apesar de ser uma política recomendada até pela ONU, os estoques brasileiros atingiram em março os níveis mais baixos deste século, como mostrou esta coluna com exclusividade no dia 1°.

Segundo a consultoria Safras e Mercado, o País exportará 36 milhões de toneladas de milho neste ano, aumento de 71% na comparação com 2021.

Segundo a Beef Magazine, o Brasil exportará 12% mais carne bovina neste ano em comparação com 2021. O País responde por um quarto de toda carne vendida no mundo...

No frango, o crescimento será de 9% neste ano. O País enviará ao exterior 4,6 milhões de toneladas, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA.

Incoerência, lobby...

Prova de que o governo não sabe o que fazer para conter a inflação foi a revogação na terça-feira da Resolução Gecex 31. A Resolução estava em vigor havia 45 dias e isentava a muçarela da mesma tarifa de importação...

...e prejuízo ao consumidor

Após pressão da Associação Brasileira dos Produtores de Leite e da bancada ruralista no Congresso Nacional, o Ministério da Economia decidiu voltar a cobrar tarifa de 28% no queijo importado. E isso acontece no período mais crítico para a produção de leite e derivados no País, o chamado período das vacas magras...

Quer economizar?

Historicamente, maio é o auge das capturas de badejo, garoupa, robalo, sardinha, siri e sororoca. E essas espécies ficam mais em conta nas peixarias em relação a outras épocas do ano...

Filosofia do campo:

“O opressor não seria tão forte se não tivesse cúmplices entre os próprios oprimidos”, Simone de Beauvoir (1908/1986), filósofa francesa.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MATERNIDADE

Mães solo ganham auxílio de coletivos

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil, existem mais de 11 milhões de mães solo

ESTÁDIO MUNICIPAL

SP convoca concessionária por destruição de arquibancadas do Pacaembu

Concessionária Allegra Pacaembu demoliu arquibancadas laterais do estádio; Suplicy alega que estruturas eram tombadas pelo patrimônio histórico

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software