COLUNA

Nos Bastidores do Santos FC

Glauco Braga

Coluna "Nos Bastidores do Santos FC" passa a ser divulgada toda semana aqui neste espaço. Vamos abordar a política do clube da Vila Belmiro e suas consequências. Boa leitura!

Nos Bastidores do Santos FC

Comentar
Compartilhar
08 MAR 2019Por Glauco Braga09h10

Na Coluna desta semana, você vai saber que o Santos vai estrear uma nova camisa no clássico contra o Corinthians; que quatro ou cinco candidatos estão de olho na presidênca dio clube;que o clube dispensou um jogador do Sub-20 e teve que reintegrá-lo e muito mais.
Novo manto

O Santos FC vai apresentar uma nova camisa no clássico contra o Corinthians, na casa do adversário, no domingo. É a camisa 2, listrada.

Será?

Tem gente apostando em quatro ou cinco candidatos a presidente do Santos FC em 2020.

Buraco no bolso

A Coluna tem condições de afirmar que logo entrará na Justiça de Santos um pedido de ressarcimento de pouco mais de R$ 1 milhão de um ex-dirigente contra um clube da Cidade. Quer que eu conte? Não posso.

Prejuízo no Sub-20

O Santos FC mandou embora um jogador que estava machucado. Foi acionado na Justiça e perdeu.Teve que reintegrar o rapaz. Na audiência, o juiz perguntou ao advogado do Peixe se ele tinha lido o histórico do jogador no clube, pois chegou aos 13 anos. O nome do atleta é Giusepe Rodrigues Alves, o Pepinho.

Quebrou o pau

No jogo contra o Oeste, vitória de 3 a 2, um gestor do clube teria quebrado o pau com diretores do clube do Interior.

Gestores políticos?

Corre nos grupos do whatsapp duas declarações do fim de janeiro envolvendo dois gestores do Santos: o vereador de Bertioga, Matheus Rodrigues, e o jornalista Paulo Schiff. O primeiro, em entrevista à Gazeta Esportiva prometeu que o Santos teria novo patrocinador master em um mês. O segundo, disse em entrevista ao jornalista Alex Frutuoso na Santos FM que logo seria anunciado um patrocínio master robusto. E nada aconteceu. Não à toa, os dois têm trajetórias políticas.

Explica aí

Alguns conselheiros querem entender como o clube está fazendo a gestão dos sócios pós-Redegol. Há muitas reclamações de acesso ao estádio e compra de ingressos. Foi prometido excelência na troca de empresas, porém mais de seis meses pós saída da Redegol nada mudou. Vale lembrar que o presidente Peres repetiu promessa do ex-presidente Luiz Álvaro em campanha e garantiu que o Santos atingiria 100 mil sócios em sua gestão, mas até agora conquistou menos de 10 mil novos associados, ou seja, nem 10% da meta.

Recordar é viver

Vale recordar que o patrocínio da Caixa foi uma herança da gestão Modesto Roma Júnior, obtido graças à ação efetiva do deputado federal Ricardo Izar (PP), em articulação que contou com os advogados Sidney Vida e Raphael Vita, o último conselheiro e ex-gestor do clube. O acerto foi fácil porque a esposa do ex-presidente da Caixa na época era uma fanática santista. O Santos tinha o segundo melhor contrato entre os clubes com o banco público.

Está perto?

Em coletiva nessa semana, José Carlos Peres afirmou que o clube trabalha com quatro “possíveis” patrocinadores masters, sendo três bancos. Ele não confirmou, mas é certo que um deles é o Banco BMG.

Do ramo

O BMG é um banco que patrocinou o Santos na gestão Luiz Álvaro e Odílio Rodrigues e atua no ramo de direitos de atletas. Sua diretoria é muito ligada ao empresário Renato Duprat, que é apontado como o grande mentor da atual gestão do clube.

Compareceu

O ex-presidente Modesto Roma Júnior foi convocado pela segunda vez a uma reunião da Comissão de Inquérito e Sindicância (CIS) desde quando saiu do clube, a primeira sob a presidência de José Geraldo Gomes Barbosa, e esclareceu aos membros da CIS o dilema envolvendo a comissão de intermediação de parte do dinheiro pago pelo PSG ao Santos pelo advento de Neymar no clube. A questão está na Justiça, levada pelo próprio Santos.

Revolta

A punição com a não convocação do meia Cueva para a partida com o América-RN devido a um atraso nos treinos revoltou torcedores e conselheiros do clube que entenderam que a punição dada ao atleta só atinge o Santos. Deveria é ter sido multado no salário.

Revolta 2

A revolta ainda é maior porque Cueva justificou com perda de vôo o não comparecimentos a um dia de treinos. Essa desculpa, ele usou por mais de cinco vezes no São Paulo quando jogou no time do Morumbi. Cueva será comprado pelo Santos em três parcelas a partir de 2020 e será a maior contratação do clube, fora Leandro Damião. Será que ninguém do Conselho Gestor levantou a ficha corrida do atleta antes de um investimento de R$ 26 milhões?

Bom jogador

Muitos torcedores se encantaram com o futebol do volante Matheus Jesus, ex-jogador do Peixe, na vitória por 3 a 2 sobre o Oeste no último final de semana. Queriam saber se o atleta ainda era do Santos. A resposta é não. Emprestado pelo Estoril com o preço do passe fixado, ele foi dispensado por Jair Ventura e o Santos não efetivou seu direito de compra.

Jean Lucas

Conselheiros não estão entendendo as escalações de Jorge Sampaioli, privilegiando Jean Lucas, ao invés de Diego Pituca. Afinal Jean Lucas é atleta do Flamengo emprestado ao Santos sem passe fixado. Já Pituca é do clube e precisa ter seu passe renovado. Pituca é um dos menores salários do elenco e pede um salário novo de R$ 230 mil, que não é o teto do clube. Peres não quer pagar e promete endurecer a negociação. Mas no fim, os conselheiros acham estranho o treinador escalar um atleta que não é do clube em detrimento de outro que é.

Reincidente

Alguns conselheiros acham que a preferência não é de Sampaioli. É uma prática da gestão Peres que já atuou de forma similar com o lateral Dodô e com o atacante Gabigol. Ou seja, a ordem pode vir de cima.

Moral com a Nação

Gerente de Futebol do Peixe, o ídolo Renato, voltou a ser amado pela torcida. Tudo porque foi noticiado na Espanha que o Corinthians tem dificuldades em recontratar o lateral Guilherme Arana porque Renato alertou os dirigentes do Sevilla, clube onde jogou e também é ídolo, que o time do Parque São Jorge não é bom pagador.

“Bíblia” da Anitta

Os beijos de Neymar na cantora Anitta, no Carnaval, repercutiu na Vila Belmiro. Tudo porque a cantora disse que se fosse anotar todos os que já beijou escreveria uma “bíblia”. Existem atletas e ex-jogadores do Peixe com medo de tal obra ser lançado e seus nomes estarem inseridos na peça litúrgica.

Embaixada da Baixada

O conselheiro Luiz Fernando Cardoso está recolhendo assinaturas de associados para formar a Embaixada do Santos da Baixada Santista. A intenção é promover encontros culturais, esportivos e educativos para os sócios sem envolver as finanças do clube. Ideia inclusive é colaborar com aluguel de áreas do Santos para esses eventos, como já ocorrem em outras embaixadas.

Apolítico

Cardoso garante que a intenção é montar uma embaixada apolítica, para servir ao Santos e não se servir dele. Caso aprovada, a futura embaixada não será palco de embates de opositores de Peres.

Animados

A turma da internet ligada ao candidato a presidente Nabil Khaznadar é que está feliz com a criação da Embaixada. Segundo esse pessoal, que se reúne em grupos na web com alcunhas de “transparência” e “sobe a serra Santooos”, Santos só merece mesmo uma embaixada do clube.

Da gema

Os santistas da gema reclamam desse grupo paulistano afirmando que foi só o Santos jogar sempre em São Paulo que o público da Capital coube na Vila, a exemplo da partida com o América-RN pela Copa do Brasil nessa semana.

Ponto final

Em contato com a Coluna, José Carlos Peres disse que não tem fudamento a criação de uma embaixada na Cidade. “Nossa sede é em Santos e a subsede em São Paulo. Não podemos deixar as embaixadas virarem políticas”, disse.

Assediado

Segundo ouvidor do Santos FC e conselheiro, o médico veterinário Eduardo Filetti, está sendo assediados por muitos grupos de sócios que querem seu apoio na eleição de 2020 do clube. Alguns deles cogitam lançar Filetti, que já ocupou diversos cargos no Santos, como Presidente do clube, situação que ele, a princípio, não deseja.

Agenda extensa

O Conselho Deliberativo entrará em agenda extensa nos próximos meses.

Fim da novela

Em contato com a coluna, o presidente do egrégio, Marcelo Teixeira, afirma que a Comissão do Estatuto e os dois escritórios de advocacia contratados chegaram a uma peça final de novo Estatuto do clube a ser apreciada pelos conselheiros nas próximas reuniões, cujas datas ainda não foram definidas.

Voto a distância

Teixeira promete para abril, em ação com participação direta do Comitê Gestor, a apresentação de duas empresas que querem implantar o voto a distância nas eleições do clube em 2020. Para isso acontecer, de acordo com o estatuto atual, essa votação tem que ser aprovada no Conselho até março de 2020.

Recordar é viver

Vale lembrar que em março de 2014, a gestão Odílio Rodrigues tentou aprovar a votação a distância e perdeu no Conselho Deliberativo, com a denuncia dos sócios-fantasmas e a fraude feita nas urnas-testes pelo conselheiro efetivo Murilo Barletta. Como o grupo de Rodrigues, intitulado Vila Rica, está de volta à gestão tendo indicado Paulo Schiff ao CG. Há quem diga que essa ação é um replay do que foi visto há cinco anos, com expectativa de final feliz.

Terminando

O Conselho Fiscal está finalizando o parecer das contas do exercício de 2018, o primeiro da gestão José Carlos Peres, que deve ser apreciado pelos membros do egrégio até o fim deste mês.

E o Retrofit?

Torcedores de Santos se organizam para cobrar de Peres a promessa de retrofit da Vila feita durante o processo de impeachment. Segundo contam as andorinhas que circulam à Vila e o Business Center, na Capital, o grupo das Arábias que ia fazer o projeto desistiu, pois Peres teria agendado duas reuniões e não comparecido no horário em nenhuma delas.

Repeteco?

A mesma reclamação de atrasos e não comparecimento de Peres tem o empresário de Diego Pituca, Adalberto Almeida.

Será de Santos

O Governo Bolsonaro já anunciou e nomeou o coronel Ronaldo Lima, ex-gerente de Base do Santos e ex-gerente de Futebol Feminino da CBF, como secretário de Futebol. Em breve será anunciado o novo presidente da Apfut, que coordena o Profut, e o nome também deverá vir da Cidade de Santos.

Faltando pano

Muitas modalidades com que o Santos mantém parceria, cedendo uniformes, estão reclamando que eles não têm sido entregues pelo clube. Vale lembrar que o Santos é obrigado por lei, em virtude da Loteria Federal, a manter pelo menos cinco modalidades fora o futebol.

A conferir.

Contraponto