X

José Renato Nalini

Cinismo ou ignorância?

Talvez ambas. O ambiente, embora imprescindível e valioso, não tem muitos amigos. Ao contrário, sobram inimigos. Desde os criminosos que exterminam a floresta Amazônica, invadem reservas naturais e desrespeitam áreas demarcadas em favor dos verdadeiros donos da terra, os indígenas, até o aparente inofensivo indivíduo que desrespeita a natureza em sua rotina. Gastando água em demasia. Desperdiçando energia elétrica, produzindo resíduos sólidos em abundância, poluindo ruas, rios e oceanos.

 Poucos se salvam nessa empreitada que representa verdadeiro suicídio coletivo. Tão irracional a primícia dentre as criaturas, a única a se vangloriar de sua racionalidade, que prefere acabar com a experiência da vida neste frágil e sofrido planeta.

Dentre os “amigos” do ambiente estão as crianças. Ainda puras, ainda ingênuas, sensíveis e aptas a enxergar que “o rei está nu”. Um rei tosco, rústico e mal-educado. Penso na sutil ironia do filme “Um Pequeno Grande Plano”, dirigido por Louis Garrel e que, pretendendo ser comédia, é na verdade uma lição de ética ecológica.

Escancara o cinismo dos adultos quando o assunto é ecologia, embora a Terra lance candentes sinais de exaustão. Nela, a vida está com os dias contados. As frases de costume são: “é exagero da mídia para ter audiência”, “é estratégia do liberalismo para vender”, “os catastrofistas são poetas”, “o que interessa é vender e transformar tudo em cifrão”.

A infância é menos hipócrita. Percebe que os adultos estão “se lixando” e resolvem atuar. Por isso existem Gretas Thunberg, não só na Escandinávia, mas em todos os continentes. Para os cineastas franceses Louis Garrel e Jean-Claude Carrière, que o cinema perdeu há pouco, o Brasil protagoniza a sua versão “Pária Ambiental”. Numa das cenas, no final da película, uma das crianças afirma que o projeto de salvar o mundo consiste em “fazer exatamente o contrário dos brasileiros”, que exterminam suas florestas.

Que orgulho em ser brasileiro neste fatídico e emblemático ano de 2022!

* José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-Graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2021-2022.  

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

FORÇA DA NATUREZA

Veja 6 vídeos de desastres provocados pelo ciclone que atinge o Brasil há 7 dias

Com ventos de mais de 100 km por hora, o fenômeno destruiu estabelecimentos, derrubou outdoors e fez o mar recuar em São Vicente, litoral paulista

Cubatão

Emoção e homenagens marcam celebração da padroeira de Cubatão, Nossa Senhora da Lapa

A festividade, que acontece há mais de 80 anos, contou com a presença do prefeito Ademário Oliveira

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software