X
Tenente Coimbra

Afinal de contas, o que aconteceu no INEP?

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, vinculado ao Ministério da Educação (MEC), é responsável por avaliações nacionais, como o Enem e o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), e pela aplicação de exames internacionais, como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), assim como por indicadores de qualidade da educação, como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). O Inep realiza ainda os censos da Educação Básica e Superior e diversos outros estudos voltados para a educação.

Duas semanas antes da realização do Enem, 37 funcionários pediram demissão do Inep. Em carta, eles alegaram "assédio moral" e falta de gestão técnica do presidente do instituto, Danilo Dupas.De acordo com o presidente do Inep, nem todos os 37 servidores que colocaram à disposição os cargos em comissão, ou função comissionada, dos quais são titulares, estão diretamente ligados ao Enem.

Diante do pedido de exoneração de alguns servidores, três entidades - Educafro, União Brasileira dos Estudantes (Ubes) e Campanha Nacional Direito à Educação ajuizaram uma ação civil pública, na 16ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal, mas a Justiça Federal de Brasília negou o pedido de liminar para afastar o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Funcionários tentaram denunciaram a interferência ideológica do MEC na montagem do exame, assim como a retirada de questões das provas. Milton Ribeiro compareceu voluntariamente a uma reunião da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e reafirmou que não houve interferência na montagem do Enem.

Tanto o vice-presidente, Hamilton Mourão, como o ministro da Educação, Milton Ribeiro, negaram qualquer tipo de interferência do governo na montagem das provas. Bolsonaro também negou que já tenha visto a prova.

O que pudemos ver foi que o exame foi seguro e não teve qualquer tipo de interferência do governo federal, tanto que algumas questões ideológicas estiveram presente na prova. O teste abordou questões sobre luta de classes, racismo, desigualdade de gênero e temática indígena.

“Tentaram politizar a prova, não houve nenhuma interferência. Talvez, se tivesse interferência, poderia ser que algumas perguntas nem estivessem ali. Não houve qualquer interferência e escolha de perguntas”, afirmou o ministro.

Acredito que o Enem não seja local para discussões ideológicas,  a prova é para avaliar candidatos que concorrem a um curso superior, existem outros locais para esse tipo de discussão.

É triste ver que políticas ideológicas quase prejudicaram uma prova tão importante e que define o futuro de milhares de jovens.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

GUERREIRA

Itanhaém: catadora de recicláveis faz objetos para se manter

Há cerca de 25 anos, desde 1996, ela recolhe o material reciclável nas ruas, quando veio de São Paulo para morar em Itanhaém

REPROVADO

Válter Suman veta Vaquejada em Guarujá

Proposta de autoria do vereador Fernando Martins dos Santos (PSDB) havia passado na Câmara

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software