X

José Renato Nalini

5 G x ESG: o que é isso?

Vive-se a era das siglas. Tudo é resumido a algumas letras. Algumas delas são marcantes. Surgem com frequência maior na mídia e nas redes sociais. Duas parecem campeãs: 5G e ESG.

O sistema 5G representará mutação profunda em setores vitais e nos quais a vulnerabilidade brasileira se acentuou nos últimos anos: educação, saúde, turismo e entretenimento. Avizinha-se a possibilidade que era apenas potencial há pouco, de implementação de cidades inteligentes.

A pandemia teve um efeito salutar que foi demonstrar a viabilidade do serviço remoto. Aquilo que assustava as pessoas há poucos anos, evidenciou-se uma solução factível e de impacto. Quando no Tribunal de Justiça de São Paulo, em 2015, se falou em “home-office”, houve mais resistência do que adesão. E foi justamente isso que propiciou uma produtividade extraordinária. Só vantagens advieram das audiências virtuais. Será um retrocesso o retorno puro e simples ao presencial, para aquilo que pode ser melhor alcançado mediante uso da informática, da eletrônica, desse mundo mágico da virtualidade.

O 5G é mais veloz permite uso de vários dispositivos ao mesmo tempo, propiciará o uso da internet das coisas. E já se fala até em 6G.

Já a ESG, com a simultânea preocupação com o ambiente – tão lesado nestes anos, o que levou o Brasil à condição de “pária ambiental” – o social – redução das desigualdades – e governança – gestão inteligente no governo e na vida privada.

Foram os empresários que primeiro perceberam que investimentos sustentáveis são muito mais lucrativos do que os convencionais. O mundo civilizado abraçou a cultura ESG e quem não a adotar tende a ser descartado e substituído por empreendimentos mais afinados com os ODS, os Objetivos de Desenvolvimento Social da ONU. O Pacto Global é ambicioso e sua meta é próxima: 2030.

Não é uma questão para o Estado, tão despreparado e tão sujeito às vicissitudes da vaidade, da conquista do poder e de proteção exclusiva dos interesses dos políticos profissionais. Não: é uma preocupação de todos os cidadãos e das empresas, essas instituições vitoriosas, que nadaram contra a corrente e sobreviveram.

Todos nós temos de nos interessar pelo 5G e pelo ESG. Já estamos vivenciando o mundo novo. Estejamos aptos a enfrentar seus desafios.

* José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2021-2022.

 

           

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Emprego

PAT de Guarujá oferece 14 vagas de emprego nesta sexta-feira (19)

Abaixo, veja as exigências de cada oportunidade e como concorrer a cada uma delas

Polícia

Corpos são abandonados em avenida de Praia Grande

Duas vítimas foram encontradas sem vida e uma terceira foi socorrida e passa por cirurgia

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software