X

Engenharia do Cinema

A vingança é silenciosa, mas o retorno de John Woo, não

O cineasta John Woo é um dos maiores nomes do cinema chinês, com sua passagem por Hollywood rendendo ótimos títulos como "O Alvo" e "A Outra Face". Mas, depois do fracasso de "O Pagamento", em 2003, ele voltou para sua terra natal e realizou o ótimo épico "A Batalha dos Três Reinos". Exatamente 20 anos depois, ele retorna para os EUA e entrega uma produção diferente das habituais.

Embora tenha sido um fracasso nos cinemas, pois custou US$ 30 milhões e rendeu só US$ 11, muito por falta de marketing e confiança por parte dos distribuidores, "O Silêncio da Vingança" pega uma fórmula que já deu certo e a coloca em uma execução diferente.

Após ter seu filho brutalmente assassinado durante uma troca de tiros entre gangues na véspera de Natal, o pacato Brian Godlock (Joel Kinnaman) acaba indo atrás dos responsáveis e é baleado no pescoço. Apesar de ter sobrevivido, suas cordas vocais foram totalmente destruídas. Como a polícia não se manifesta, ele resolve planejar uma vingança contra os criminosos.

Mesmo com essa premissa remetendo a vários filmes já conhecidos, Woo extrapola ao deixar sua narrativa sem nenhum diálogo falado, para literalmente nos colocar na perspectiva do próprio Brian. Sendo uma tarefa difícil, ele usa como artifício de apoio descrições em cartas, noticiários (que são os únicos diálogos presentes, mas de forma breve) e enquadramentos estratégicos (em objetos e situações específicas, por exemplo).

Regado a bastante violência gráfica e cenas de ação beirando a efeitos práticos (inclusive um assistente chegou a se ferir nas gravações, em uma das cenas de perseguições com carros), o cineasta também conquista o espectador neste enredo, ao retratar seu protagonista como alguém humano, agindo por impulso, mas mostrado de maneira sutil.

Isso é notado em cenas breves, como quando ele passa mal na primeira vez em que assassinou alguém ou pelo fato dele ficar semanas para conseguir acertar um alvo em seu treinamento (arco que a maioria dos filmes do gênero, estão deixando de lado).

Por mais que o cenário também ajude a colocar o espectador na torcida por Ben, a atuação de Joel Kinnaman sempre transparece os sentimentos de seu personagem, o fazendo se assemelhar a alguém que não consegue falar e não tem nada a perder.

"O Silêncio da Vingança" é um retorno triunfal de John Woo a Hollywood e faz jus ao entreter com um filme 'brucutu' diferente do habitual.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MUITAS PROMESSAS

Centro de SP vive debandada de comerciantes; entenda os motivos

Ruas do Centro Histórico de São Paulo seguem sofrendo com queda de frequentadores e fechamento de comércios

Variedades

Marca especial! Grupo Envolvência chega a 230 milhões de visualizações

Músicos são conhecidos pelo single "Quando a Cachaça Não Mata Humilha"

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter