Volta da emissão de passaportes não tem prazo para ocorrer

Devido à mudança nos trâmites para a sanção presidencial, a volta da impressão do documento não deve ocorrer mais nesta semana, como era previsto pelo governo

Comentar
Compartilhar
19 JUL 2017Por Folhapress13h00
Volta da emissão de passaportes não tem prazo para ocorrerFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Cinco dias após aprovação pelo Congresso, o projeto que autoriza um crédito extra de R$ 102 milhões para a emissão de passaportes foi encaminhado nesta terça-feira (18) ao Palácio do Planalto.

Porém, devido à mudança nos trâmites para a sanção presidencial, a volta da impressão do documento não deve ocorrer mais nesta semana, como era previsto pelo governo.

Inicialmente a sanção estava prevista para esta quarta (19), mas isso pode levar ainda mais tempo de acordo com assessores do presidente. Devido a uma mudança na origem da fonte do recurso, é necessária uma análise técnica do Ministério do Planejamento antes da assinatura de Temer.

Fontes do Ministério do Planejamento dizem que o texto estará pronto para ser sancionado até o final desta semana. Com isso, não há prazo para que a impressão do documento, interrompida desde 27 de junho, volte à normalidade.

Apesar da pressão do governo sobre a retomada das atividades, não está prevista uma edição extra do "Diário Oficial da União" para a publicar a liberação da verba. Segundo auxiliares de Temer, o processo deve ocorrer rapidamente, mas sem necessidade de DOU somente para isso.

Após a publicação, caberá ainda ao Ministério do Planejamento abrir o empenho dos recursos e autorizar o repasse ao Ministério da Justiça, que o destinará à Polícia Federal, órgão subordinado à pasta e responsável pela confecção de passaportes.

A demora entre a aprovação do crédito pelo Congresso, na quinta, e o envio do texto para sanção é creditada por assessores de Temer ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que viajou no fim da semana passada e só retornou nesta terça a Brasília.

A PF anunciou há quase um mês, às vésperas das férias escolares e em meio à relação tensa do governo Temer com o órgão, a suspensão das atividades. De acordo com cálculos da instituição, o atendimento para confecção do documento é de 11 mil a cada dia útil, em todo o país.

Ao suspender a emissão dos documentos, a PF informou que não haveria prazo para retomada das atividades. Com a autorização de crédito extra, o governo espera que o serviço volte a funcionar normalmente ainda esta semana.

Segundo a PF, os gastos com o serviço chegaram ao limite previsto na lei orçamentária.

O governo arrecadou no ano passado R$ 578 milhões com a emissão de passaportes. Boa parte desse recurso, porém, não foi empregada no serviço prestado pela Polícia Federal.

Neste ano, devido ao ajuste nos gastos públicos, o governo anunciou o represamento de R$ 42 bilhões do Orçamento para conseguir fechar as contas.

Para tirar o passaporte, o cidadão paga uma taxa de R$ 257,25. Esse valor vai para uma conta no Banco do Brasil e fica em um fundo, chamado Funapol, criado em 1997, e administrado por um conselho gestor encabeçado pela PF.

A polícia, no entanto, não tem autonomia para decidir sobre quanto pode gastar desses recursos, pois eles compõem as receitas que vão para o caixa único do Tesouro e não são imunes ao bloqueio de despesas do governo. Nos mesmos moldes de outras taxas arrecadadas por órgãos públicos.

Em 2016, a emissão de passaportes já passou por problemas, desde a falta de matéria-prima para confecção da capa até a falha em uma máquina que faz a perfuração do documento.

O prazo normal de entrega do documento é de seis dias úteis, mas a PF sempre alerta que somente cada posto escolhido para dar entrada no documento pode dar uma previsão exata da data.