TSE registra mais de 260 crimes de violência contra candidatos desde janeiro

Foram registrados 100 homicídios consumados ou tentados; em 2016, ocorreram 46 crimes

Comentar
Compartilhar
24 NOV 2020Por Gazeta de S. Paulo19h10
Desde janeiro, 45 candidatos e pré-candidatos foram assassinados, 12 entre outubro e novembroFoto: José Cruz/Agência Brasil

Foram registrados 264 crimes de violência contra candidatos e pré-candidatos de janeiro até novembro, segundo dados divulgados nesta terça-feira (24) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Deste número, o TSE registrou 100 homicídios consumados ou tentados.

Os números apresentados pelo presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, representam um aumento de cinco vezes em relação ao registrado no mesmo período de 2016, ano das eleições municipais anteriores, que foram registrados 46 crimes de violência contra candidatos.

Em 2016, o segundo turno das eleições ocorreu em novembro. Em 2020, a data foi adiada devido à pandemia de Covid-19 e será realizado no próximo domingo (29).

O levantamento inclui ocorrências registradas antes da confirmação das candidaturas, por isso, foram registrados casos contra pessoas que se declaravam dispostas a concorrer.

Em um pronunciamento, o presidente do TSE disse que “a violência é incompatível com a democracia. É preciso jogar limpo e civilizadamente e os órgãos de segurança pública estão vigilantes em relação ao crime organizado”.

Homicídios

Segundo os dados, dos 100 homicídios tentados ou consumados, 67 foram aconteceram quando todas as candidaturas já estavam confirmadas pelos partidos.

Desde janeiro, 45 candidatos e pré-candidatos foram assassinados, 12 entre outubro e novembro.

Foram registradas 146 ameaças de janeiro até o momento. Dessas, 109 entre outubro e novembro. Sobre crimes de lesão corporal, o TSE contabilizou 18.