Três em cada quatro apoiam restringir número de dias que crianças vão à escola por semana

Maioria dos entrevistados prefere esperar pelo menos quatro meses antes de mandar os filhos de volta às aulas

Comentar
Compartilhar
10 AGO 2020Por Da Reportagem16h10
Dos 1000 respondentes no Brasil, 74% apoiam a medida de restringir o número de dias que os estudantes devem ir às aulasFoto: Agência Brasil

Na opinião dos brasileiros, no momento atual, as crianças e adolescentes deveriam comparecer ao colégio presencialmente com menos frequência do que o período tradicional semanal, de segunda à sexta-feira. Este é o resultado mais recente do estudo Ipsos Essentials, conduzido com entrevistados de 16 países. Dos 1000 respondentes no Brasil, 74% apoiam a medida de restringir o número de dias que os estudantes devem ir às aulas.

Coreia do Sul (83%), Índia (81%) e México (80%) são as nações que mais endossam a ideia. Por outro lado, nos europeus França (42%), Itália (44%) e Alemanha (46%) menos da metade concorda com a restrição da frequência em sala de aula.

O levantamento apontou também a expectativa do tempo que as populações julgam adequado esperar para que suas crianças voltem aos estudos em segurança. No Brasil, 24% dizem que se sentiriam confortáveis em mandar os filhos de volta à escola apenas daqui 4 a 6 meses. Em segundo lugar, com 20%, está um período ainda mais longo: de 7 a 12 meses. Com 17%, o prazo entre 1 e 3 meses ficou no terceiro posto. 13% só estariam confortáveis após um ano e, por último, somente 4% mandariam suas crianças ao colégio já no próximo mês.

Um em cada cinco brasileiros (18%) não soube responder à pergunta; e 1% disse que os filhos já estão frequentando a escola presencialmente. Considerando os 16 países avaliados, o único onde mais da metade disse que suas crianças já voltaram às aulas é o Japão, com 60%. Em seguida vêm a França (47%) e a Alemanha (45%).

A pesquisa on-line Ipsos Essentials foi realizada entre os dias 17 e 20 de julho com cerca de 14.500 adultos, de 16 a 74 anos, em 16 países. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 p.p..