X

Brasil

Temer diz que é "provável" que país tenha inflação abaixo de 4,5% em 2017

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acredita que a aprovação das reformas que estão sendo tocadas pelo governo também ajudará na recuperação da economia

Agência Brasil

Publicado em 15/02/2017 às 17:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Michel Temer disse hoje (15) ser provável que o país registre inflação abaixo da meta de 4,5% este ano / Divulgação

O presidente Michel Temer disse hoje (15) ser provável que o país registre inflação abaixo da meta de 4,5% este ano. A afirmação foi feita no Palácio do Planalto, durante o anúncio de liberação de milho da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para o Programa Vendas em Balcão.

“Para nossa surpresa agradável, a inflação veio de 10,70% para 6,23% em seis meses. E a inflação de janeiro foi a melhor registrada em 20 anos. Agora, é provável que consigamos uma inflação menor do que a de 4,5%. Isso significa esperança e confiança para os investidores”, afirmou o presidente.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acredita que a aprovação das reformas que estão sendo tocadas pelo governo também ajudará na recuperação da economia. “Não há dúvida de que a economia brasileira está voltando à normalidade. Com a aprovação da PEC do Teto, agora a admissibilidade da reforma da Previdência, a apresentação da reforma trabalhista e todas as mudanças microeconômicas em andamento, certamente, a economia brasileira volta ao normal”, disse ele.

“É, portanto, absolutamente razoável que isso, conjugado com a política monetária bem aplicada pelo Banco Central, faça com que a inflação convirja para a meta”, acrescentou. O ministro reafirmou a expectativa de que, no último trimestre deste ano, a economia apresente crescimento de 2% na comparação com o mesmo período de 2016.

Temer reiterou que o primeiro momento do governo foi o de combate à recessão, por meio da queda da inflação e dos juros. Ele lembrou ainda a injeção de recursos na economia, principalmente por meio da liberação dos valores retidos nas contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

“Veja o caso das contas inativas do FGTS, paralisadas, com famílias, pessoas e empresas endividadas. Como disse o Meirelles ontem, o Estado acaba deixando de tutelar as pessoas, com aquele dinheiro lá. Não é uma importância pequena. É uma importância de R$ 41 bilhões”, disse o presidente. “Vamos dizer que nem tudo seja sacado e que sejam sacados entre R$ 30 e R$ 35 bilhões. É uma injeção na economia de um lado, e de outro gera certa tranquilidade social para que aqueles que têm dívidas possam quitá-las”, acrescentou.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Oportunidade

Praia Grande oferece 50 vagas gratuitas para oficina de fotografia

Inscrições começam na próxima segunda (22), no Palácio das Artes

COPA DO BRASIL

Sorteio define mandos das semis da Copa do Brasil; veja quem decidirá em casa

É a primeira vez na história que uma competição de cunho nacional terá a decisão das semis sendo do eixo Rio-SP, com 2 de cada estado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software