Taxa de desemprego em SP sobe para 16,9% e quase 2 milhões estão sem trabalho

O aumento da taxa de desemprego decorreu da retração do nível de ocupação, que caiu 0,4% com a eliminação de 36 mil postos de trabalho

Comentar
Compartilhar
25 ABR 2018Por Folhapress11h12
O contingente de desempregados foi de 1,86 milhão de pessoas, 59 mil a mais do que no mês anteriorFoto: Marcos Santos/USP Imagens/Fotos Públicas

A taxa de desemprego da região metropolitana de São Paulo passou de 16,4% em fevereiro para 16,9% em março, aponta pesquisa da Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados) e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O contingente de desempregados foi de 1,86 milhão de pessoas, 59 mil a mais do que no mês anterior.  Em março de 2017, porém, a taxa de desemprego da região era maior, de 18,5%.

A taxa de desemprego aberto - pessoas que procuraram vaga nos últimos 30 dias e não exerceram nenhum trabalho nos últimos sete dias anteriores à entrevista - foi de 13,2% para 13,6%.

Já a taxa de desemprego oculto variou menos, de 3,2% para 3,3%. Esse grupo inclui pessoas cuja situação de desemprego está oculta pelo trabalho precário (o chamado "bico") ou pelo desalento -quando não houve procura de trabalho nos últimos 30 dias, mas sim nos últimos 12 meses.

O aumento da taxa de desemprego decorreu da retração do nível de ocupação, que caiu 0,4% com a eliminação de 36 mil postos de trabalho, e da relativa estabilidade da PEA (População Economicamente Ativa) –23 mil pessoas entraram para a força de trabalho da região, alta de apenas 0,2%.

O número de ocupados foi estimado em 9,146 milhões de pessoas. 

Apenas o comércio contratou em março, com a abertura de 30 mil vagas, alta de 1,9% ante fevereiro. O emprego na construção caiu 6,3%, com 39 mil postos a menos. A indústria recuou 1,1%, fechando 15 mil vagas, e os serviços, 0,6%, com menos 31 mil postos.

Entre janeiro e fevereiro de 2018, variaram positivamente o rendimento médio real dos ocupados (0,3%) e o dos assalariados (0,9%), passando a equivaler a R$ 2.084 e R$ 2.150, respectivamente.

No Brasil, o desemprego registrou 12,6% no trimestre entre dezembro e fevereiro, segundo dados do IBGE, e a população desocupada foi de 13,1 milhões.