X
Brasil

Sindicatos perderam 1,4 milhão de associados em 2016, diz IBGE

Os dados constam do estudo 'Características adicionais do mercado de trabalho brasileiro 2012-2016'

Sindicatos brasileiros lidam com a perda de associados devido a crise econômica / Divulgação/Fotos Públicas

Enquanto tentam reverter o prejuízo previsto com a nova legislação trabalhista, os sindicatos brasileiros lidam também com a perda de associados, provocada pela crise econômica. De acordo com o IBGE, o número de pessoas sindicalizadas no país caiu 7,5% em 2016. Isso significa que 1,37 milhão de pessoas se desfiliaram de seus sindicatos.

Os dados constam do estudo "Características adicionais do mercado de trabalho brasileiro 2012-2016", divulgada nesta quarta-feira (18), com base em dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios).

O estudo mostra que o percentual de pessoas associadas a sindicatos entre os brasileiros que trabalham ou já trabalharam permaneceu praticamente estável entre 2012 e 2015, sempre acima dos 13%. Em 2016, foram apenas 12,1%.

"Com a queda na ocupação, houve reflexos para a sindicalização", comentou a analista do IBGE Adriana Beringuy.

A perda de associados é um problema adicional para os sindicatos brasileiros, que podem perder até R$ 3 bilhões com a reforma trabalhista, que entra em vigor no próximo mês transformando o imposto sindical em contribuição voluntária.

O problema afeta principalmente as centrais sindicais, que em alguns casos sobrevivem exclusivamente desse repasse.

A queda na sindicalização é mais intensa entre os homens: em 2016, 9,15 milhões (ou 13,5%) eram associados a sindicatos, uma redução de 10% com relação ao verificado no ano anterior.

Já entre as mulheres, a queda foi de 4,2%, para 7,7 milhões de pessoas.

Adriana diz que a crise na indústria, que emprega mais homens, pode explicar o fato. "A indústria foi um dos setores que mais demitiram desde o início da crise", disse ela.

A indústria é o segundo setor em que há maior índice de sindicalização (15,2% das pessoas são filiadas), atrás apenas de educação, saúde humana e serviços sociais (18,5%).

Formalização

O estudo mostra também que a crise levou um número maior de brasileiros a buscar trabalho por conta própria e como empregadores, mas de maneira formal.

O contingente de pessoas ocupadas por conta própria ou como empregadores em empresas com registro no CNPJ chegou a 7,7 milhões em 2016 (28,9% do total), 2 milhões a mais do que em 2012 (5,7 milhões, ou 23,9% do total).

Esse número cresceu em todos os anos da pesquisa, com destaque para os setores de construção, de alojamento e alimentação e de outros serviços, que inclui prestadores como cabeleireiros.

"Ainda que a crise iniba a formalização, pode ser que a maior facilidade no acesso ao CNPJ tenha ajudado no processo", comentou a analista do IBGE.

Pequeno porte

Houve crescimento também no número de trabalhadores empregados em estabelecimentos de pequeno porte, com até cinco funcionários, o que indica ainda a opção por abrir empresas para prestar serviços formais.

Pela primeira vez na série histórica iniciada em 2012, o contingente ocupado nesse tipo de empresa superou a marca de 50% da população ocupada no setor privado, excluindo domésticos. Foram 50,1%, ante 48,1% no ano anterior e 46,7% em 2012.

Já o contingente em grandes empresas, com 51 funcionários ou mais, caiu de 29% em 2015 para 28% em 2016.

"Pode ser um indicativo de que empregadores que estão se formalizando o fazem com a abertura de empresas de pequeno porte", diz Beringuy.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

São Vicente

Fundo Social promove primeiro Dia de Doar do ano nesta sexta (28)

Munícipes devem retirar as peças na sede da FSS de São Vicente

São Vicente

Justiça suspende venda do Golf Clube vicentino a pedido do MP

Juiz suspendeu assembleia do patrimônio tombado que aguardava apenas decreto regularizando decisão de Conselho

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software