São Paulo já tem mais de 17 mil casos de acidentes com escorpiões em 2019

No ano passado, que teve o maior número de casos de acidentes nos últimos 30 anos, foram mais de 30 mil casos registrados, com 13 mortes confirmadas

Comentar
Compartilhar
19 SET 2019Por Da Reportagem17h02
São Paulo registrou este ano, até o mês de agosto, 17,7 mil casos e 5 óbitos relacionados a acidentes com escorpiõesFoto: Agência Brasil

De acordo com o Centro de Vigilância Epidemiológica, órgão ligado à Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo registrou este ano, até o mês de agosto, 17,7 mil casos e 5 óbitos relacionados a acidentes com escorpiões. No ano passado, que teve o maior número de casos de acidentes nos últimos 30 anos, foram mais de 30 mil casos registrados, com 13 mortes confirmadas.

O Biólogo Giuseppe Puorto, membro do CRBio-01 – Conselho Regional de Biologia – 1ª Região (SP, MT, MS), afirma que o problema é comum nas regiões urbanas. “Os escorpiões invadem as casas atrás de baratas, mas acabam também buscando onde se alojar”.

Ele explica que nas grandes cidades a espécie mais perigosa é o escorpião amarelo (Tityus serrulatus), que se reproduz por partenogênese (ou seja, a fêmea se reproduz sozinha), e que a melhor maneira de evitar a visita desses aracnídeos é justamente manter os lugares limpos, livres de entulhos.

“No quintal de casa evite o acúmulo de telhas ou de tijolos, por exemplo. Eles podem se esconder entre as frestas. E se perto de casa tiver algum terreno baldio, peça para que a prefeitura providencie a limpeza do local”, orienta o Biólogo.

Se for picado, o Biólogo recomenda que procure um serviço de atendimento médico o mais rápido possível. “A pessoa deve ser levada para o local mais próximo que tiver”, avisa.

Geralmente, primeiro é aplicado um medicamento para aliviar a dor provocada pela picada do escorpião. E depois, se for o caso, é aplicado o soro antiescorpiônico. “O medicamento neutraliza as toxinas do veneno circulante no corpo”, esclarece Puorto. A aplicação é geralmente indicada para crianças e idosos, considerados maior grupo de risco.

Colunas

Contraponto