Governo do SP educacao
Governo do SP educacao mob

Quarentena no interior de SP é 38% mais fraca que na região da capital

A diferença de 38% do interior em relação à capital aparece na análise do deslocamento de aparelhos móveis feita pela empresa In Loco

Comentar
Compartilhar
20 MAI 2020Por Folhapress22h00
A redução no fluxo na capital e região metropolitana foi bem maior, de 55%Foto: Agência Brasil

A movimentação de pessoas no interior de São Paulo foi reduzida apenas em 34% após o início do isolamento social para combate ao coronavírus. A redução no fluxo na capital e região metropolitana foi bem maior, de 55%.

A diferença de 38% do interior em relação à capital aparece na análise do deslocamento de aparelhos móveis feita pela empresa In Loco. Foram analisados os 378 municípios com mais de 10 mil habitantes no estado, de um total de 645, para maior segurança na análise.

Nas cidades menores analisadas parece haver mais dificuldade em diminuir o fluxo de pessoas. Nos 119 municípios com até 20 mil habitantes, a redução média da movimentação foi de apenas 30%.

Alguns exemplos desse perfil de municípios são Severínia e Itapuí, onde o fluxo caiu somente 8% e 12%, respectivamente (os menores percentuais no estado). Nesses locais moram menos de 14 mil habitantes.

Nas 118 cidades com mais de 60 mil habitantes, a diminuição média do fluxo foi de 46%. Osasco (700 mil habitantes) e Santana de Parnaíba (140 mil), ambas da região metropolitana, ilustram essa situação. A queda no fluxo foi de 80% e 74%, respectivamente.

Outro fator que parece influenciar a diminuição do fluxo é a presença já confirmada da doença na cidade. São Caetano do Sul e Barueri, ambos da região metropolitana, são algumas das cidades onde mais houve mortes por 100 mil habitantes (16 e 30, respectivamente) e mais ocorreu redução no movimento (93% e 86%).

A capital paulista também se enquadra nesse perfil. Maior cidade do país, com 12 milhões de habitantes, está entre os 10 municípios que mais pararam (redução de 62% no fluxo) e também é uma das mais atingidas pela Covid-19 (23 mortes por 100 mil habitantes).

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), ainda que venha descartando o lockdown (confinamento obrigatório da população), tem buscado medidas administrativas para reduzir a movimentação de pessoas.

Depois de tentar ampliar o rodízio de veículos, que fracassou por colocar mais gente no transporte público, Covas agora anunciou um megaferiado começando nesta quarta-feira (20) e terminando na segunda-feira (25).

No caso das cidades ainda com casos em número relativamente pequeno e que diminuíram pouco o fluxo de pessoas, o risco é a doença estar circulando fortemente, mas ainda de forma despercebida. A Covid-19 pode levar até 14 dias para se manifestar.

Também é preciso levar em conta que alguém contaminado pode ser tratado e, mesmo assim, após alguns dias não resistir e morrer.