Propagandas sexistas perdem espaço após repercussões negativas

A reportagem selecionou alguns exemplos de propagandas recentes que foram mal recebidas pelo público por causa do conteúdo considerado machista

Comentar
Compartilhar
18 JUN 2016Por Folhapress18h30
Propagandas têm causado discussão nas redes sociaisPropagandas têm causado discussão nas redes sociaisFoto: Divulgação

Temas como diversidade e igualdade de gênero estão entrando no radar das grandes empresas. Casos de repercussão negativa nas redes sociais após a veiculação de propagandas e distribuição de materiais de marketing considerados machistas ou preconceituosos têm sido frequentes.

A Skol, por exemplo, é uma marca que tem se preocupado em alterar sua estratégia de comunicação. Fábio Baracho, diretor de marketing da cervejaria, disse à reportagem que a empresa está fazendo um investimento "agressivo" para mudar a imagem sexista atribuída ao setor. "Ao longo de anos a categoria de cerveja se comportou de uma forma não muito legal. Estamos tentando mudar isso", disse.

A decisão, segundo Baracho, veio após a crise de comunicação desencadeada pela veiculação de uma peça publicitária de Carnaval que dizia "Esqueci o não em casa", em 2015. Considerada apologia ao estupro, o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) entrou com uma representação contra o anúncio, que foi retirado de circulação.

A reportagem selecionou alguns exemplos de propagandas recentes que foram mal recebidas pelo público por causa do conteúdo considerado machista.

Manual Sexista

A Fiat anunciou nesta segunda (13) que irá retirar de circulação um controverso "manual" que vinha sendo distribuído com carros vendidos na Argentina. A decisão ocorreu após a repercussão negativa em redes sociais. Dentre as demais instruções de segurança, o manual traz uma série de recomendações machistas para fazer "melhor uso do veículo". Uma delas sugeria que a temperatura do carro fosse aumentada, para "induzir a mulher que você gosta a tirar um pouco da roupa".

"Dê para sua mãe"

Em outubro de 2014, a marca de roupas carioca Reserva comercializou camisetas com uma etiqueta que dizia "Para entender melhor a simbologia de lavagem, acesse: www.usereserva.com.br/cuidadoscomaroupa Ou dê para a sua mãe, ela sabe como fazer isso bem.". O detalhe não passou despercebido pelos consumidores, que protestaram nas redes.

Desceu quadrado

Em 2010, a Skol veiculou uma propaganda que mostrava como seriam os provadores de roupa "se o cara que os inventou bebesse Skol". A peça, que mostrava provadores expondo o corpo de uma mulher, foi considerada por internautas como incentivo à depreciação da imagem feminina.

Menu

A atual propaganda da cerveja Itaipava com a modelo Aline Riscado coloca à disposição do consumidor três opções de "produto", com o slogan "Faça sua escolha": A garrafa de 300 ml, a latinha de 350 ml ou um seio de mulher com 600 ml, em referência a uma prótese de silicone.

Lugar de Mulher

Em maio de 2015, a rede de lojas Fast Shop publicou em sua página de Facebook uma promoção para o Dia da Mulher. A propaganda oferecia um desconto em máquinas de lavar roupa, com a frase "tenha mais tempo livre".

"Homens que amamos"

A marca de esmaltes Risqué foi criticada após lançar a coleção "Homens que Amamos", que consistia em cinco cores com os nomes "Guto fez o pedido!"; "Zeca chamou para sair"; "Fê mandou mensagem"; "André fez o jantar" e "Leo mandou flores".

Sexo sem consentimento

A propaganda da marca de preservativos Prudence sugere ao consumidor uma "dieta do sexo". Uma das atividades indicadas para gastar calorias é tirar a roupa de uma mulher sem o seu consentimento.

Outro lado

A Reserva afirmou que a empresa tem como política o compromisso a igualdade entre pessoas, e que 48% dos seus funcionários são do sexo feminino, com paridade salarial. A diretoria da empresa possui o mesmo número de homens e mulheres.

A Skol afirmou que mudou sua política de comunicação a partir de 2016 e que este ano foi a primeira cervejaria a patrocinar a Parada LGBT de São Paulo.

A Risqué disse que considera todo tipo de discussão positiva e reafirma que está sempre atenta aos comentários de seus consumidores, e que as cores da coleção "Homens que Amamos" foram muito bem aceitas entre as consumidoras da marca.

A Folha não conseguiu entrar em contato com a Fast Shop, nem obteve resposta da Itaipava e da DKT Brasil, responsável pelo preservativo Prudence.