Presidente da Anac defende cobrança de bagagem para crescimento do mercado aéreo

José Ricardo Botelho participou da abertura do International Brazil Air Show, no Aeroporto Internacional Tom Jobim

Comentar
Compartilhar
30 MAR 2017Por Agência Brasil04h30
O presidente da Anac defende a cobrança da bagagem para o crescimento do mercado aéreoO presidente da Anac defende a cobrança da bagagem para o crescimento do mercado aéreoFoto: Agência Brasil

O diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), José Ricardo Botelho, defendeu que a cobrança por parte das companhias aéreas pelo despacho de bagagens dos passageiros pode favorecer o crescimento do mercado brasileiro.

Botelho participou da abertura do International Brazil Air Show (Ibas), no Aeroporto Internacional Tom Jobim, e disse que os americanos adotaram essa norma em 1970 e hoje transportam 900 milhões de pessoas. Ele acrescentou que países como Itália e Inglaterra, entre outros, têm regulação semelhante à que a Anac quer implementar no Brasil. O presidente da agência destacou que, quando fala de elevação do número de passageiros, isso significa aumento de infraestrutura e geração de empregos.

Em dezembro do ano passado a Anac publicou uma resolução que previa o fim da franquia gratuita de bagagem para os passageiros do transporte aéreo, que passariam a pagar para despachar os volumes.  A medida, entretanto, foi suspensa pela Justiça. Com isso, permanecem em vigor as franquias mínimas de bagagem despachada: 23 quilos (kg) em voos nacionais e duas malas de 32 kg em internacionais.

O presidente da Anac disse ainda que as empresas low cost (companhias aéreas de baixo custo e baixa tarifa) não têm interesse de vir para o Brasil. “O que nós estamos fazendo é criar um mercado adequado para que essas empresas olhem para esse mercado em potencial, que é muito grande, e digam 'eu quero ir para o Brasil'”.

A liberação da cobrança das bagagens dos passageiros é, segundo ele, um passo nesse sentido. “Com certeza, ela facilita”. Outra possibilidade seria ampliar a participação estrangeira no capital das empresas aéreas brasileiras.