Prefeito de São Bernardo critica Doria: 'Não vou aceitar injustiças'

Orlando Morando afirmou ser 'uma injustiça' que a cidade do ABC tenha sido colocada em um nível de quarentena mais restritivo do que a Capital

Comentar
Compartilhar
28 MAI 2020Por Da Reportagem17h05
Orlando Morando (PSDB) é prefeito de São Bernardo do CampoFoto: Divulgação

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), afirmou em um vídeo gravado nesta quinta-feira (28) considerar “uma injustiça” que a cidade da região do Grande ABC tenha sido colocada em um nível de quarentena mais restritivo do que a Capital, mesmo que os índices de sua cidade estejam melhores.

“Se o discurso até agora foi ciência, ciência, ciência, eu vou continuar seguindo a ciência, não vou deixar de proteger vidas. Mas não vou deixar que o discurso que vale aqui não faça valer na Capital ou em qualquer outro lugar”, afirmou o mandatário.

Para ele, São Bernardo do Campo foi “sacrificada injustamente”, e pediu para que Doria reveja a medida. “Não vou aceitar injustiças”, disse.

Conhecido por ser um dos principais aliados do governador João Doria (PSDB), Morando afirmou que, se necessário, vai ir contra o governador neste momento.

“A minha relação com os políticos que tenho como aliados são boas porque são honestas, porque eu falo a verdade. E falar as verdades às vezes é contrariar o próprio amigo. E nesse caso eu vou contrariar o governador João Doria, sim”.

Por fim, o prefeito disse o governo estadual deve corrigir o que considera erro a tempo. “A ciência tem que ser seguida".

MEDIDA DE DORIA.

O Governo de São Paulo apresentou uma proposta de reabertura econômica na quarta-feira (27), com a proposta, apenas cidades autorizadas poderão reabrir setores. No entanto, prefeitos de cidades da Grande São Paulo querem que o governo estadual revise a classificação da região.

Com a classificação divulgada pela gestão estadual, ao menos 62 municípios do Estado não poderão reabrir parte do comércio na próxima segunda-feira (1º), pois estão na fase vermelha.

De acordo com o prefeito de Osasco, Rogério Lins, nesta quinta-feira (28), será entregue um documento de reconsideração ao governador do Estado, João Doria.

"Vamos entregar um documento, assinado por todos os prefeitos da região, no Palácio do Governo pedindo uma reavaliação da nossa classificação avançando para a fase dois, a fase laranja, onde gradativamente alguns comércios, com muita segurança e colaboração da população, voltem a funcionar", afirmou o prefeito.

O prefeito também alegou que o município é “praticamente uma extensão da capital”, e que o modelo do governo estadual “não vai funcionar”.

Para o prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa, a medida também não funcionará. "A gente sabe que isso vai criar um grande problema porque o maior movimento pendular do brasil é entre São Paulo e Guarulhos. Temos 38 km de área fronteiriça", afirmou Costa.

O prefeito de Itapevi, Igor Soares, foi ao Palácio dos Bandeirantes reivindicar que a cidade seja enquadrada na fase 2 e não na fase 1. Segundo ele, as cidades da região Oeste fizeram trabalho de prevenção, ampliação de leitos e contratação de profissionais de saúde.

O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, que representa as sete cidades do ABC Paulista, também ficou surpreso com a flexibilização. Os prefeitos disseram que vão rever os números e apresentar um plano para o governo do estado para que os municípios da região possam pensar em uma reabertura gradual.