PGR arquiva apuração preliminar contra família Bolsonaro

Caso envolve as investigações do Facebook que resultaram na remoção de contas ligadas ao PSL e a gabinetes da família Bolsonaro nas redes sociais

Comentar
Compartilhar
29 SET 2020Por Gazeta de S. Paulo14h30
Notícia-crime era contra o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos Flávio e Eduardo BolsonaroFoto: Reprodução Flickr

Uma apuração preliminar relacionada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e a dois de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi arquivada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

O caso envolve as investigações do Facebook que resultaram na remoção de contas ligadas ao PSL e a gabinetes da família Bolsonaro nas redes sociais da empresa. O Facebook afirmou, que entre as contas, identificou perfis falsos e com "comportamento inautêntico".

O arquivamento foi comunicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira (28). O vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, afirmou faltar elementos para investigação formal.

A manifestação se deu em razão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes ter pedido um parecer da Procuradoria da sobre uma notícia-crime apresentada pela deputada Maria Perpétua de Almeida (PCdoB-AC). A deputada afirmou haver fortes indícios da prática de inúmeras ações delitivas supostamente praticadas pela família Bolsonaro e aliados, utilizando-se da internet, para cometer crimes contra ministros do STF e parlamentares. Perpétua pediu que a notícia-crime fosse incluída no inquérito das fake news.