Participantes de festa clandestina atacam PMs com pedras e cadeiradas

Os PMs envolvidos na ocorrência disseram por nota que receberam uma denúncia anônima contra um grupo de pessoas aglomeradas numa festa realizada em um sobrado

Comentar
Compartilhar
06 ABR 2021Por Folhapress14h01
A festa foi encerrada após a confusãoA festa foi encerrada após a confusãoFoto: Reprodução

Um grupo de policiais militares foi recebido a pedradas e a cadeiradas no momento em que tentava dissolver uma festa clandestina no Distrito Federal. O DF está sob decreto de calamidade pública e também impôs à sua população o toque de recolher noturno, das 22h às 5h, por causa do agravamento da pandemia de Covid-19.

Os PMs envolvidos na ocorrência disseram por nota que receberam uma denúncia anônima contra um grupo de pessoas aglomeradas numa festa realizada num sobrado da quadra 31, do Paranoá. Ao chegar ao endereço, na noite deste último domingo (4), a equipe disse que se deparou "com aglomeração, som alto e pessoas fazendo uso de bebidas alcoólicas, além de muitas crianças na rua".

A PM também disse que os seus agentes já foram recebidos a pedradas. Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra um homem arremessando uma cadeira contra os PMs. Neste momento, segundo a versão da polícia, foi preciso acionar reforço para o atendimento da ocorrência. "Diante da situação, os policiais solicitaram o apoio de todas as equipes do 20º Batalhão".

Durante a confusão entre os frequentadores da festa e a polícia, uma mulher grita: vá embora. Aqui tem criança. A partir daí, de acordo com as imagens da gravação, um homem arremessa uma cadeira contra os policiais, que revidam disparando balas de borracha.

No comunicado oficial, a PM do Distrito Federal afirmou ter usado "gás e elastômeros [balas de borracha] para conter os ataques aos policiais".

A festa foi encerrada após a confusão, e dois homens apontados pela polícia como suspeitos de terem atirado as pedras e a cadeira contra os PMs foram detidos e levados para o 6º DP (Paranoá). Segundo a polícia, os suspeitos vão responder pelos crimes de descumprimento de medida sanitária, desacato, lesão corporal e desobediência.

A Polícia Militar não informou se algum frequentador da festa ou agente da corporação se feriu durante a ocorrência.

Festas clandestinas

Segundo o governo do DF, o endurecimento no combate às festas clandestinas ocorre porque elas têm sido os grandes responsáveis pelo aumento de contaminação pelo coronavírus na região. "Além de provocarem aglomeração em bares, residência ou galpões, essas festas escondidas são ilegais, e as pessoas não cumprem os cuidados básicos para se evitar a doença", diz trecho de comunicado do governo de Ibaneis Rocha.

Até o dia 31 de março, ao menos 401 estabelecimentos foram multados, e outros 522 interditados no DF. Também 63 pessoas foram multadas por descumprimento do toque de recolher. Durante o toque de recolher, o trânsito de pessoas é controlado. Só podem circular quem estiver indo e voltado do trabalho, em busca de farmácias ou hospitais e os que trabalham nos aplicativos de transporte.

Reportagem da Folha mostrou que o agravamento da pandemia atingiu em cheio as unidades de saúde do DF, com relatos de pessoas sendo atendidas na recepção de hospitais, e corpos de pessoas vítimas da Covid-19 se acumulando no chão à espera por remoção.

Até a manhã desta terça-feira (5), a taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) era de 91,96% no Distrito Federal.