X
Brasil

Para 41% graduados com Fies comprometimento de renda é acima do ideal

O comprometimento de renda de no máximo 20% foi o critério utilizado na formulação do novo Fies

Para 41% graduados com Fies, o comprometimento de renda é acima do ideal / Agência Brasil

Recém-formados em universidades privadas e que usaram financiamento estudantil durante seus estudos estão comprometendo uma parcela da renda maior do que o recomendado com os pagamentos do Fies, segundo levantamento do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp). Pesquisa com ex-alunos, a maioria formado há menos de dois anos, identificou que, para 41% deles, a parcela do financiamento corresponde a mais de 20% da renda.

O comprometimento de renda de no máximo 20% foi o critério utilizado na formulação do novo Fies, segundo a última versão do projeto que está em discussão no Congresso. No novo modelo, esse seria o porcentual máximo a ser descontado na folha de pagamento de usuários do Fies que estejam empregados após concluir os estudos. Os alunos que se formaram nos últimos dois anos, no entanto, contrataram o Fies sob as regras antigas e não havia restrições.

Para o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato, o alto comprometimento de renda dos recém-formados ajuda a explicar os indicadores de inadimplência no Fies até o momento. Dados de junho do Ministério da Fazenda apontam que mais de 50% dos contratos do Fies têm algum atraso e 30% da carteira em fase de amortização é considerada de baixa probabilidade de recuperação (inadimplência superior a 90 dias).

Obrigada

A avaliação do Semesp, no entanto, é que o alto comprometimento da renda é reflexo de um cenário de crise econômica, em que os recém-formados entram no mercado de trabalho com salários baixos

De acordo com a pesquisa, 76,2% dos formados nos últimos dois anos em faculdades privadas recebem um salário inferior a R$ 3 mil. Entre os formados há mais tempo, esse porcentual cai para 45,7%.

"Estamos vivendo um momento grave da história econômica do Brasil, mas a tendência é que haja uma recuperação", diz Capelato. "Uma maior oferta de emprego deve elevar os salários, levando a uma diminuição desse porcentual de comprometimento da renda dos recém-formados", conclui.

A maioria dos formados relata ter recebido aumentos de salário ao concluir o curso, mas Capelato chama atenção para o fato de que isso não é uma realidade para todas as carreiras.

Considerando apenas os respondentes que já trabalhavam durante a graduação, 53,9% dos egressos disse ter recebido proposta de emprego ou promoção após a conclusão do curso. Em cursos do tipo tecnólogo ou em cursos de licenciatura (voltados para a formação de professores), essa promoção com aumento de salário não é tão frequente após a formatura, diz o diretor do Semesp.

Um total de 48,6% dos egressos de cursos presenciais de bacharelado está trabalhando em sua área de formação. No caso dos egressos de cursos de licenciatura, esse porcentual é menor: de 39,5%. Entre os concluintes de cursos de graduação tecnológica, apenas um a cada três trabalha em sua área de formação.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Após três décadas, servidora de São Vicente se aposenta e ganha despedida surpresa

Dona do melhor café, de acordo com seus colegas de trabalho, Hercília foi pega de surpresa com uma despedida de agradecimento pelos serviços prestados

Cotidiano

Portal de Entrada de Bertioga é inaugurado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software