Oxford inclui Brasil na terceira fase de testes de vacina contra Covid-19

Duas mil pessoas serão testadas em São Paulo e Rio de Janeiro; registro da vacina deve ocorrer no fim deste ano

Comentar
Compartilhar
03 JUN 2020Por Da Reportagem16h45
A terceira fase da vacina irá testar 10 mil pessoas, com o objetivo de avaliar o produto. Entre as 70 vacinas que estão sendo produzidas, este estudo é o mais avançadoFoto: YVES HERMAN/EBC/AB

O Brasil foi incluído na fase terceira de testes de uma vacina contra a Covid-19 produzida na Universidade de Oxford, no Reino Unido. A informação foi publicada no Diário Oficial da União, na noite desta terça-feira (2).

A terceira fase da vacina irá testar 10 mil pessoas, com o objetivo de avaliar o produto. Entre as 70 vacinas que estão sendo produzidas, este estudo é o mais avançado.

Com o apoio do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), 2 mil pessoas do Rio de Janeiro e São Paulo serão testadas. A vinda ao Brasil contou com a liderança da diretora do Instituto para a Saúde Global da Universidade de Siena, a pesquisadora brasileira Sue Ann Costa, especialista em doenças infecciosas e prevenção por vacinas.

Os testes serão realizados pelo Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A universidade será responsável por encontrar mil voluntários que não contraíram a doença e que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus em São Paulo.

De acordo com o diretor-executivo da Fundação Lemman, organização que arcará com gastos financeiros da pesquisa, Denis Mizne, “inserir o Brasil no panorama de vacinas contra a Covid-19 é um marco importante para nós, brasileiros, e acredito que poderemos acelerar soluções que tragam bons resultados e rápidos. Para a Fundação Lemann é mais um marco importante oportunidade de contribuir em iniciativas de grande impacto para o nosso país e sua gente”.

Outros países estão em processo de análise e aprovação para o teste. O registro da vacina no Reino Unido está previsto para o fim deste ano.