Ônibus viajam lotados em São Paulo, contrariando determinação da prefeitura

A medida foi tomada pela prefeitura para diminuir a aglomeração no transporte público e, consequentemente, minimizar o risco de contaminação por Covid-19

Comentar
Compartilhar
08 JUN 2020Por Folhapress19h02
A medida foi tomada pela prefeitura para diminuir a aglomeração no transporte público e, consequentemente, minimizar o risco de contaminação por Covid-19Foto: Agência Brasil

O primeiro dia útil da recomendação da prefeitura para que os ônibus municipais da capital viajassem apenas com passageiros sentados, a fim de evitar aglomeração, foi marcado por coletivos lotados e reclamação de passageiros, que demoraram mais para embarcar. A medida foi tomada pela prefeitura para diminuir a aglomeração no transporte público e, consequentemente, minimizar o risco de contaminação por Covid-19.

No corredor da avenida Dona Belmira Marin, no Grajaú (zona sul de SP), os veículos trafegavam cheios na manhã desta segunda-feira (8), muitos com passageiros viajando nos degraus, encostados na porta, em razão da lotação. Os coletivos da linha 5362-10 (Parque Residencial Cocaia/Praça da Sé) eram os mais abarrotados.

O zelador William Ramos Gabriel, 38 anos, desembarcou de um desses ônibus na parada do Rio Bonito, por volta das 8h30. Ele pretendia embarcar em outro coletivo, menos cheio, para seguir até a Aclimação (centro), onde trabalha. "Concordo que precisa proibir o povo de viajar em pé, mas para isso a prefeitura precisa aumentar a frota de veículos na rua, para evitar que os ônibus fiquem cheios de gente, igual ao que eu estava", disse.

A gestão Bruno Covas (PSDB) anunciou que iria ampliar a frota de ônibus na cidade, a partir desta segunda-feira (8). Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, seriam adicionados 784 coletivos aos 2.000 previstos para operar em caso de necessidade.

Já no Terminal Grajaú, também na zona sul, avisos sonoros informavam sobre a determinação de que passageiros não deveriam viajar em pé. Mesmo assim, a reportagem viu linhas de ônibus que já partiam do terminal cheias. O distrito da zona sul lidera o número de movimentação de pessoas fora de casa na capital paulista, segundo relatório da prefeitura do último dia 29.

Usando máscara e protetor acrílico no rosto, o balconista de lanchonete Carlos Júnior, 43 anos, aguardava na fila para embarcar na linha 5630-10 (Terminal Grajaú-Metrô Brás), às 6h desta segunda. Ele estranhou que a fila de embarque estava maior, mas não sabia da proibição do embarque em pé. "A fila está demorando mais para andar hoje. Agora faz sentido. É por isso que tem mais gente por aqui então", disse, após ser informado pelo Agora da determinação da prefeitura.

O limite de pessoas por coletivo gerou a formação de duas filas no ponto da linha. O ônibus em que o balconista embarcou partiu do terminal após todos os assentos serem ocupados. O carro seguinte, porém, partiu com 17 pessoas em pé. Todos os passageiros usavam máscaras.