Minas já tem 25 óbitos por febre amarela

No pior surto da história do Estado, já são 272 casos suspeitos em 38 municípios - 47 confirmados

Comentar
Compartilhar
21 JAN 2017Por Estadão Conteúdo16h30
O número de mortes confirmadas por febre amarela em Minas Gerais subiu para 25Foto: Divulgação

O número de mortes confirmadas por febre amarela em Minas Gerais subiu para 25, segundo boletim divulgado nesta sexta-feira, 20, pela Secretaria de Estado da Saúde. Outros 46 óbitos suspeitos ainda são investigados. No pior surto da história do Estado, já são 272 casos suspeitos em 38 municípios - 47 confirmados.

Até a quarta-feira, 18, a pasta registrava 23 mortes e 34 casos confirmados. Por segurança, o governo também decidiu fechar, temporariamente, os parques do Rio Doce e da Serra do Brigadeiro, no sudoeste do Estado, nas áreas de contágio, a cerca de 250 quilômetros de Belo Horizonte. A ideia é evitar o contato de visitantes com mosquitos.

No Espírito Santo, o número de casos suspeitos subiu ontem para 11, segundo o governo capixaba - o último balanço do Ministério da Saúde, anteontem, era de 8 casos. Nenhum foi confirmado. Após receber 500 mil doses de vacina nesta semana, o Espírito Santo pediu ao governo federal outras 500 mil doses.

Drama

Uma das vítimas da febre amarela em Minas, o serralheiro Silvano Rosemberg Schirmer, de 57 anos, foi enterrado ontem em Ladainha, no Vale do Mucuri, a 515 quilômetros de Belo Horizonte

Apesar de serralheiro, Schirmer vinha fazendo bicos como trabalhador rural e tinha por hábito pescar em um rio que corta a região.

Segundo seu sobrinho, Silvano de Oliveira, o tio chegou a tomar a vacina contra a doença. Mas a imunização só veio após ter sido contaminado, conforme suspeita a família.

"Há uns dez dias ele, depois de voltar da zona rural, contou ter encontrado um macaco morto no caminho. Prometeu que iria ao posto de saúde tomar a vacina e foi. Mas estava muito cheio e não quis esperar", conta o parente, de 38 anos, administrador de um sítio na região.

Depois, ele passou a reclamar de dores de cabeça. "Tomou a vacina, mas acho que já era tarde demais", acrescentou Oliveira. Schirmer morreu em Teófilo Otoni, para onde foi transferido quando ficou com provado o quadro de febre amarela. Divorciado, ele deixa uma filha.

O sobrinho correu para se precaver. "Eu mesmo não sei onde coloquei o meu cartão de vacinação, mas fui ao posto e já estou imunizado", diz.

Com cerca de 17 mil habitantes, Ladainha tem o maior número de mortes confirmadas em Minas: oito, quase um terço das 25 no Estado.