Justiça decreta prisão do ex-delegado da PF Protógenes Queiroz

O ex-delegado da Polícia Federal mudou-se para Suíça e alega estar na condição de asilado político

Comentar
Compartilhar
31 MAR 2017Por Folhapress15h42
Protógenes foi condenado, em 2014, pelo STF por violação de sigilo funcionalProtógenes foi condenado, em 2014, pelo STF por violação de sigilo funcionalFoto: Agência Brasil

A Justiça Federal de São Paulo decretou a prisão do ex-delegado da Polícia Federal e ex-deputado federal Protógenes Queiroz. Ele foi condenado, em 2014, pelo STF por violação de sigilo funcional, ou seja, vazamento de informações para a imprensa sobre prisões do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e do banqueiro Daniel Dantas, na época em que comandava as investigações da Operação Satiagraha.

A juíza Andréia Moruzzi, da 7ª Vara Federal Criminal de São Paulo, decidiu pela prisão de Protógenes por não ter comparecido nas audiências em que seria definida a forma de cumprimento de sua pena em regime aberto. Em 2014, o ex-delegado foi condenado pelo STF em dois anos e seis meses, pena convertida em prestação de serviços comunitários. As informações são da Agência Brasil.

Pela atual decisão, a ausência de Protógenes em três audiências resultou na regressão da pena, com sua condenação em regime fechado. Segundo a juíza, a defesa do ex-deputado não comprovou razões para o não comparecimento.

Protógenes mudou-se para Suíça e alega estar na condição de asilado político. Adib Andouni, advogado do ex-delegado, disse que com a concessão do documento de asilo político, o passaporte de Protógenes foi retido pelo governo suíço.

Segundo o advogado, Protógenes é vítima de perseguição política e sofreria riscos se viesse ao Brasil. "Com a perda do cargo de delegado, ele [Protógenes] não pode andar armado. Um delegado que combatia o crime, é uma pessoa pública, vem sendo perseguido e recebendo diversas ameaças", disse.