Jovens acendem 2.000 velas para relembrar recorde diário de vítimas da Covid

Grupo mora em Mutuípe, município de 22 mil habitantes no interior da Bahia, a 3 horas e meia de Salvador

Comentar
Compartilhar
06 MAR 2021Por Folhapress22h10
As velas formaram uma gigante cruz no centro do gramado do estádio da cidadeAs velas formaram uma gigante cruz no centro do gramado do estádio da cidadeFoto: Divulgação/Cristiano Drone Service

Foram necessárias duas horas e 20 pessoas para que se conseguisse acender um número de velas equivalente aos recordes de vítimas da Covid-19 nos últimos dias no Brasil: quase 2.000. O símbolo tenta relembrar que os algarismos não são só algarismos, mas sim mães, pais, filhos, amores e amigos.

Também foi a maneira que um grupo de jovens encontrou para chamar a atenção de quem não está seguindo as medidas de segurança. Os colegas moram em Mutuípe, município de 22 mil habitantes no interior da Bahia, a 3 horas e meia de Salvador, onde 1.109 pessoas já contraíram o vírus e 9 morreram, segundo o estado.

As velas formaram uma gigante cruz no centro do gramado do estádio da cidade. De máscara e sem aglomerar, o grupo começou a organização da homenagem às 14h30, passou a acendê-las às 18h e só terminou às 20h. Depois ficou ali a madrugada toda esperando que apagassem, em respeito às vítimas.

"Um amigo teve a ideia depois que viu a reportagem do recorde de mortos e ficou tocado, porque ninguém tinha expressado sentimento por esse tanto de vidas. No dia seguinte ele comprou as velas e saquinhos e chamou a gente, e todo mundo comprou a ideia", diz Monique Moura, 25, que cursa farmácia.

O dado que seu amigo viu nas notícias foi de 1.910 óbitos, número divulgado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) na última quarta (3). O consórcio de veículos de imprensa, criado em resposta às interrupções de divulgação de informações pelo governo Jair Bolsonaro (sem partido), apontou 1.841 mortes no mesmo dia.

O Brasil enfrenta o pior momento da pandemia, com situações críticas em todas as regiões do país e colapsos em algumas áreas. Os níveis de ocupação de UTIs estão acima de 90% em diversas capitais.

Entre as vítimas está a prima de uma das participantes da homenagem, que era jovem. Foi difícil bloquear a emoção, diz Monique: "Só de você perguntar já me arrepia. Durante todo o momento a sensação era de que estávamos no cemitério, que cada vela era um pai, filho, o amor da vida de alguém. Foi muito tocante", conta.

A estudante lamenta que as medidas de segurança não estejam sendo seguidas no município, que segundo ela tem tido muitas festas e aglomerações. "Pela própria geografia da cidade, que é pequena e tem comércios pequenos, as pessoas ficam muito desesperadas quando ouvem falar em lockdown, com medo de ficar sem comer", afirma.

Desde o fim de fevereiro o governador da Bahia, Rui Costa (PT-BA), determinou a restrição total de atividades não essenciais para tentar diminuir a transmissão do vírus. Estão proibidos em qualquer horário o funcionamento presencial de bares e restaurantes, a venda de bebidas alcoólicas e qualquer tipo de atividade social.