Inclusão de negros em cargos de liderança é desafio para empresas

Os negros ocupam menos de 30% dos cargos de liderança nas empresas no Brasil; programa de trainee do Magazine Luiza causou repercussão

Comentar
Compartilhar
27 SET 2020Por Gazeta de S. Paulo07h07
Magazine Luiza anunciou na última semana um programa de trainee 2021 exclusivo para negrosFoto: Ale Vianna/Brazil Photo Press/Folhapress

Por Aline Fonseca

A questão da desigualdade racial no Brasil vem sendo discutida com mais frequência nos últimos tempos. Apesar disso, no mercado de trabalho os negros ocupam menos de 30% dos cargos de liderança nas empresas, mesmo sendo a maior parte da força de trabalho no País, um total de 54,9%.

Segundo o último relatório ‘Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil’, com base em pesquisas realizadas em 2018, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano passado, somente 29,9% dos cargos gerenciais eram exercidos por pessoas pretas ou pardas. No estado de São Paulo, em 2019, apenas 3,68% dos contratados para cargos de liderança eram negros, segundo levantamento feito pelo Quero Bolsa.

Para tentar mudar essa realidade, muitas empresas têm realizado processos seletivos exclusivos para candidatos negros. É o caso da Bayer, Gerdau, P&G, Banco BV e da Magazine Luiza, que anunciou na última semana um programa de trainee em 2021 apenas para pretos e pardos. Segundo a empresa, o objetivo é trazer mais diversidade racial para os cargos de liderança da companhia, que tem apenas 16% de negros em postos de comando.

A iniciativa da varejista causou elogios e críticas. Entre as críticas estava a acusação que a empresa estaria praticando “racismo reverso” com brancos. O Ministério Público do Trabalho em São Paulo, inclusive, chegou a receber uma série de denúncias contra a empresa por suposta discriminação, porém rejeitou todas. Para o MPT, não houve violação trabalhista, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica.

Para o reitor da Universidade Zumbi dos Palmares e líder do Movimento Ar, José Vicente, a atitude da varejista é corajosa e deve mudar o mercado de trabalho. “Avalio [a iniciativa] como importante, necessária, corajosa e transformadora e, seguramente, vai mudar o mercado”, diz.

Vicente ainda acredita que este tipo de iniciativa é necessária para tentar diminuir o grau de exclusão dos negros e que vai estimular todo o ambiente corporativo a seguir essa tendência. “A ação objetiva e inovadora faz todo mundo questionar, debater, ser contra ou a favor, mas não deixar o tema ficar nem debaixo do tapete e nem fora da mesa de discussão. Por conta disso, as empresas estão, agora, obrigadas e serão necessariamente encaminhadas para um patamar que seja pelo menos idêntico ao da Magazine Luiza”, avalia o reitor.

‘Racismo reverso’ e ilegalidade
Uma das alegações de quem criticou o programa de trainee é que a varejista estaria praticando ‘racismo reverso’ com brancos. O coordenador do SOS Racismo, Cláudio Silva, explica que isso não existe porque o “racismo é determinado pela condição de poder que as pessoas têm, e negro não tem poder no Brasil”.

Sobre a iniciativa ser legal ou não, José Vicente lembra que a reserva de vagas para negros é constitucional. “O Supremo ao longo dos últimos anos declarou como totalmente constitucionais medidas de cotas para negros tanto em concursos públicos, quanto nas universidades, tanto nos estágios”, finaliza.