Folia de Momo acaba e Páscoa chega com vagas de emprego

Empresa de ovos de chocolate tem vagas temporárias para promotores de venda na Baixada Santista

Comentar
Compartilhar
01 MAR 2017Por Diário do Litoral11h30
Fábrica de chocolates localizada na capital paulista iniciou contratação temporária em outubro do ano passadoFábrica de chocolates localizada na capital paulista iniciou contratação temporária em outubro do ano passadoFoto: Rodrigo Montaldi/DL

De São Paulo

O cheiro de chocolate instiga os visitantes. No interior da fábrica, que fica em um bairro conhecido pelo comércio têxtil, na capital paulista, a produção de ovos de páscoa está a todo vapor. Com o término do carnaval é hora dos produtos seguirem para os supermercados e lojas de departamento de todo o Brasil. A data deve aquecer o mercado de trabalho com a abertura de vagas temporárias, inclusive na Baixada Santista.

“A empresa vai contratar 1.500 promotores em todo Brasil para contrato temporário de 30 dias. Algumas dessas vagas são para a Baixada Santista”, disse Bianca Padilha, representante do Marketing da Top Cau Chocolates. A fábrica contratou 500 funcionários que trabalharam de outubro do ano passado até a última semana de fevereiro na produção de 11 milhões de ovos de páscoa. O quadro da empresa em meses considerados ‘normais’ é de apenas 100 colaboradores.

Há muito tempo sem uma colocação no mercado de trabalho, Milene Silva Pereira, de 39 anos, conseguiu uma oportunidade na fábrica em outubro. “Está difícil arrumar emprego. Sempre trabalhei com embalagem em fábrica. Entrei em outubro. Achei a oportunidade muito boa. Trabalhar com chocolate não é fácil, dá vontade de comer. A expectativa é conseguir um trabalho fixo depois que ­terminar a temporada”, disse. A moradora de Guarulhos leva cerca de duas horas para chegar à sede da empresa, que fica no bairro Pari, na Capital­. 

Por recomendação de uma amiga, que já havia trabalhado na fábrica durante a temporada, Antonia Jacqueline Peixoto, de 40 anos, também conseguiu uma vaga na produção de ovos de páscoa. Sua última experiência empregatícia foi como auxiliar de restaurante. 

“Estava desempregada desde abril do ano passado. Vim entregar currículo com a minha amiga e logo me chamaram. Aceitei trabalhar. Essa é a minha primeira experiência com chocolates. Para mim é tudo novo e estou gostando. Não imaginava como se fazia e enrolava um ovo de páscoa. Depois que eu sair tentarei uma vaga fixa de emprego”, destacou Antonia, que mora no bairro Parque Novo Mundo. 

Ao contrário de Milene e Antonia, que atuam pela primeira vez na produção de ovos de páscoa, Leonora Vieira Rive, de 52 anos, já tem vasta experiência na área. Esta é a sexta temporada dela na fábrica de chocolates. “Só trabalho em temporada. A gente gosta e se acostuma. Quebra maior galho no final de ano. Por isso estamos sempre voltando. Deixo o telefone e eles ligam quando começa a temporada. A gente faz muita amizade e se diverte. Se Deus quiser pretendo voltar. A gente sempre volta”, destacou a moradora do bairro ­Ermelino Matarazzo. 

Oitenta por cento dos contratados temporários da empresa já trabalharam no local mais de uma vez.

Vagas. Com o término da fabricação dos ovos de chocolate tem início a contratação dos promotores que atuarão na venda e promoção dos produtos da empresa. Na Baixada Santista foram abertas 70 vagas temporárias para o cargo. Os interessados devem ter de 18 a 45 anos, experiência comprovada na atividade e disponibilidade de horário e de dias de ­trabalho.

Para concorrer a uma das vagas é necessário também facilidade de comunicação, conhecimento nas áreas de estoque e vendas, além de experiência em pontos de venda, na troca de brindes e em abordagem. O horário de trabalho é das 9h às 22h de sexta a ­domingo. 

Os interessados devem encaminhar currículo para o email [email protected] e especificar no assunto PROMOTOR PÁSCOA – (CIDADE ONDE MORA).

Fábrica produz 11 milhões de ovos de chocolate

Durante a temporada de produção de ovos de páscoa na fábrica, duas turmas se revezam das 6h às 22h na confecção diária de 120 mil ovos, que são o carro-chefe da empresa. O trabalho é bem dividido. A maioria dos homens atua na produção e distribuição. As mulheres na embalagem e colocação de brindes. O Diário do Litoral visitou a empresa e acompanhou todas as etapas de fabricação da iguaria.

O processo, que dura em média 40 minutos, tem início na pingadeira. Lá o chocolate, que chega derretido na unidade é distribuído nas formas. Em seguida os ovos seguem para a centrífuga e devem descansar de 10 a 15 minutos para balancear a temperatura. A próxima etapa, após o descanso, é o desenforme. De lá eles seguem para a embalagem, onde dezenas de duplas de mulheres atuam. 

“Depois do desenforme ele é pesado duas vezes. Se não estiver com o peso adequado, a máquina apita e ele não segue para o próximo passo, que é a colocação de alumínio e dos brindes e a embalagem. Depois disso ele é pesado novamente”, explicou a representante do Marketing da Top Cau. Oitenta por cento do volume da empresa é voltada para a fabricação de produtos voltados à páscoa. 

Bianca explicou que a produção de ovos tem início em outubro. O produto é encaminhado para uma central de armazenagem que garantirá a sua preservação. “Boa parte da nossa produção é voltada para as grandes redes. Trabalhamos com 25 personagens. É feito contrato de licenciamento com grandes estúdios”. 

A representante da Top Cau destacou que a empresa adotou medidas de contenção de despesas que vão permitir manter congelados os valores dos produtos no mercado. “Por conta da crise a fábrica fez algumas economias como a substituição das lâmpadas comuns por lâmpadas de led. Isso fez com que não aumentasse o preço do ovo e também não deixássemos de contratar funcionários”, disse Bruna.