X
Brasil

Evangélicos estão convencendo índios a recusarem vacina alegando ser 'a marca da besta'

Missionários evangélicos têm espalhado mentiras sobre a vacina contra a covid-19 em aldeias na região Norte do Brasil. / Reprodução/Internet

Missionários evangélicos têm espalhado mentiras sobre a vacina contra a covid-19 em aldeias na região Norte do Brasil, segundo requerimento entregue à CPI da Covid ao qual o UOL teve acesso. De acordo com algumas dessas mentiras, a vacina já vem contaminada da China em um plano "diabólico": usar o imunizante para marcar indígenas com o número da Besta, o 666 citado no livro bíblico do Apocalipse.

Ao todo, 54.438 foram infectados e 1.072 morreram de covid-19 desde o início da pandemia entre os cerca de 1,3 milhão de indígenas brasileiros, nas contas do Comitê Nacional da Vida e Memória Indígena, formado por lideranças e especialistas em saúde para conter os danos causados pela pandemia sobre esses povos. O Ministério da Saúde fala em 673 mortes.

No entorno de Santo Antônio do Içá, no Alto Solimões, no Amazonas, religiosos espalham mentiras entre integrantes do povo kokama, segundo o requerimento. Dizem "que o imunizante os transformaria em animais, homossexuais ou os mataria" e que "neles seria implantado um chip que carregaria a 'marca da Besta'".

Os relatos são confirmados por Milena Kokama, 63, vice-presidente da Federação Indígena do Povo Kokama. Ao UOL, ela descreve a estratégia usada "em todo o estado do Amazonas".

*Do UOL, da coluna VIVABEM, por Wanderley Preite Sobrinho

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

GCM Ambiental resgata bicho-preguiça em São Vicente

Animal foi encontrado em uma bicicletaria, próximo a linha do VLT, na Vila Valença

ELEIÇÕES 2022

Pesquisa BTG: Bolsonaro avança 3 pontos e tem 34%, ante 41% de Lula

O petista perdeu 3% dos eleitores em duas semanas, segundo o levantamento

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software