Eduardo Paes descarta carnaval no Rio no mês de julho

Em meio a evolução da pandemia da Covid-19 e ainda sem vacina para toda a população, o prefeito afirmou que celebração é 'algo impossível de se fazer nesse momento'

Comentar
Compartilhar
22 JAN 2021Por Gazeta de S. Paulo15h50
Por causa do coronavírus, o carnaval neste ano estava previsto para acontecer de 13 a 16 de fevereiro, mas inicialmente foi adiado para julhoFoto: Tânia Rego/Agência Brasil

*Com informações da Folhapress

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), usou suas redes sociais nesta quinta-feira (20) para descartar a possibilidade da realização do carnaval na cidade no mês de julho.

Em meio a evolução da pandemia da Covid-19 e ainda sem vacina para toda a população, o prefeito afirmou que "parece sem qualquer sentido" imaginar que o Rio terá condições de realizar a celebração no meio deste ano.

Por causa do coronavírus, o carnaval neste ano estava previsto para acontecer de 13 a 16 de fevereiro, mas inicialmente foi adiado para julho. Nesta quinta, porém, Paes afirmou que o evento exigiria uma grande preparação por parte dos órgãos públicos e das agremiações e instituições ligadas ao samba, o que definiu como "algo impossível de se fazer nesse momento".

"Dessa forma, gostaria de informar que não teremos carnaval no meio do ano em 2021", disse o prefeito. Segundo Paes, com todos vacinados, o carnaval deve voltar a acontecer em 2022.

No último dia 13, o governador em exercício Cláudio Castro (PSC) sancionou uma lei criando um carnaval anual em julho, chamado CarnaRio, para estimular o turismo.

O texto não foi bem recebido por blocos de rua do Rio, que repudiaram a iniciativa, dizendo que a festa só aconteceria depois de a população ser vacinada.

Campanha de vacinação

No último dia 18, Paes apresentou o plano para a campanha de vacinação contra Covid-19 no município do Rio. Segundo a prefeitura, serão 231 mil doses na primeira fase da campanha. Ao todo, o estado do Rio de Janeiro deve receber 487 mil doses nesta primeira fase da vacinação. A imunização no Rio começou na segunda, em ato simbólico no Cristo Redentor.

Até o momento, o estado do Rio de Janeiro tem 28.215 óbitos por Covid-19, com 490.821 doentes.