Governo SP

Duas vítimas de massacre em Suzano recebem alta de hospital

Ocorrido na última quarta-feira (13), o ataque deixou 8 mortos e 11 feridos. Os assassinos, ex-alunos da escola, morreram.

Comentar
Compartilhar
16 MAR 2019Por Folhapress21h57
A escola Raul Brasil, onde ex-alunos assassinaram 8 estudantes e depois se mataram.Foto: Google Street View/Reprodução

Duas vítimas da chacina na escola estadual Raul Brasil, em Suzano (Grande São Paulo), receberam alta na manhã deste sábado (16). De acordo com o Hospital Santa Maria, onde estavam internados, Samuel Silva Félix, 14, e José Vitor Ramos, 18, foram liberados às 8h.  

Ocorrido na última quarta-feira (13), o ataque deixou 8 mortos e 11 feridos. Os assassinos, ex-alunos da escola, morreram.

Cinco adolescentes seguem internados no Hospital das Clínicas e no Hospital Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes.

São eles Adna Isabella Bezerra, 16, Anderson Carrilho de Brito, 15, Jenifer da Silva Cavalcante, 15, Leonardo Martinez Santos, 16, e Murillo Gomes Benite, 15. Segundo a secretaria de Saúde de São Paulo, todos apresentam quadro estável. Os outros seis atingidos já receberam alta.

A participação de um terceiro suspeito no crime, um adolescente de 17 anos, é investigada. Ele se apresentou ao Fórum de Suzano na manhã desta sexta-feira (15), mas foi liberado após ser ouvido. O Ministério Público não encontrou indícios suficientes no depoimento para apresentar denúncia contra ele. Ele é ex-aluno do colégio e foi colega de classe do líder do massacre.

Na tarde de sexta, foi realizada uma reunião na Raul Brasil para discutir a situação da escola.

Participaram o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, o secretário de Justiça e Cidadania, Paulo Dimas Mascaretti, e a primeira-dama do estado, Bia Doria, além de funcionários, psicólogos, psiquiatras e pedagogos da rede municipal e de universidades paulistas.

Rossieli disse que a presença dos estudantes não é obrigatória, mas que "podem fazer atividades esportivas, culturais, de arte" e  ter acesso a consultas psicológicas individuais ou coletivas.

O prefeito de Suzano afirmou que está em andamento uma reforma estrutural na escola, com "troca de ambientes". Mas a maior preocupação é "a reconstrução emocional dos que vão voltar", afirmou.

Colunas

Contraponto