Doria revela que a vacinação contra a Covid-19 em SP começa no dia 15 de dezembro

Coronavac ainda está em fase de testes em voluntários no País; caso tenha sucesso, imunizante tem de ser aprovado pela Anvisa

Comentar
Compartilhar
30 SET 2020Por Da Reportagem15h37
O governo de São Paulo assinou nesta quarta-feira, 30, o contrato de fornecimento de 46 milhões de doses da coronavac até dezembro deste anoFoto: Divulgação

O governo de São Paulo assinou nesta quarta-feira, 30, o contrato de fornecimento de 46 milhões de doses da coronavac até dezembro deste ano. Outras 14 milhões de doses devem ser fornecidas pela Sinovac ao Estado até fevereiro do ano que vem. O anuncio foi feito durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. O governo de São Paulo ainda aguarda a finalização dos testes, mas, segundo o governador João Doria (PSDB), se essa fase tiver sucesso e a vacina for aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacinação no Estado poderá começar em 15 de dezembro e será iniciada pelos profissionais de saúde.

"Os testes seguem até 15 de outubro. Mas estamos confiantes no resultado dessa vacina. Estamos avançando positivamente com esperança de que essa será uma das mais promissoras vacinas contra a covid-19. Vamos respeitar os procedimentos de testagem, e após aprovação da Anvisa, o início da vacinação está previsto para começar no dia 15 de dezembro, começando pelos profissionais da saúde", afirmou Doria.

O contrato assinado nesta quarta também prevê a transferência de tecnologia da vacina ao Butantan, que é parceira da empresa chinesa e coordena os testes do imunizante em voluntários no Brasil.

O estudo da vacina foi ampliado, de nove mil para 13 mil voluntários, e acontece em 16 centros de estudos espalhados por sete estados brasileiros e o Distrito Federal. De acordo com o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, sete mil voluntários já receberam o imunizante. Ele afirmou também que, em outubro, o Butantã receberá da Sinovac a matéria prima para ser transformada em vacinas no instituto. Uma fábrica do Butantã entrará em obras em novembro e será ampliada para produção da coronavac. O contrato assinado nesta quarta é de US$ 90 milhões.