Doria define que comércio poderá abrir por mais tempo e receber mais clientes; entenda

Anúncio foi feito no começo da tarde desta sexta-feira (7) durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, na Capital

Comentar
Compartilhar
07 MAI 2021Por Da Reportagem12h55
João Doria decidiu prorrogar tempo de funcionamento dos estabelecimentos comerciaisJoão Doria decidiu prorrogar tempo de funcionamento dos estabelecimentos comerciaisFoto: Reprodução / Facebook

O governador João Doria (PSDB) decidiu prorrogar por duas semanas a Fase de Transição do Plano SP que atinge todos os 645 municípios do Estado de São Paulo. Apesar disso, as autoridades estaduais decidiram ampliar o horário de funcionamento para comércios e restaurantes para até 21h e a capacidade de ocupação nos estabelecimentos foi aumentada de 25% para 30%. A medida passa a valer já para este sábado (8) e deverá seguir pelo menos até o dia 23 de maio.

A Fase de Transição já está em vigor há três semanas. De acordo com Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência do Covid-19, os números dos principais indicadores demonstraram queda de internações e óbitos por uma sequência de dias satisfatória e explica que as novas decisões se dão após muita discussão entre as autoridades de saúde.

"Nós temos uma evolução muito importante, por exemplo, de redução de mais de 30% no número diário de óbitos e de pessoas internadas, assim como também no número de pessoas contaminadas. Além disso, temos visto o avanço da cobertura vacinal, especialmente dos grupos mais vulneráveis,  o que já traz um imapcto muito grande e contribui para redução das internações e perdas de vidas. Entendendo que a sociedade também tem outras necessidades o Centro de Contingência recomendou a extensão dessa fase de transição", afirma.

Já o coordenador executivo do Centro de Contingência de Covid-19, João Gabbardo, explica que a alta taxa de ocupação de leitos no Estado de São Paulo se deve à diminuição na demanda nos hospitais privados e que isso não é algum tipo de impedimento para avanços no Plano SP.

"O Estado de São Paulo está com 78% de ocupação dos leitos, no entanto, quando nós analisamos a nossa capacidade máxima, no momento em que nós tivemos o maior número de leitos, que foi no dia 7 de abril, nós tinhamos 14.453 leitos. O que que acontece quando a demanda por pacientes nos hospitais diminui? Como é o momento que nós estamos passando nessa fase agora de transição, os hospitais privados, principalmente a rede privada e o os hospitais filantrópicos, eles não podem ficar com esse leito desocupado é uma coisa óbvia. Existe uma demanda por outras especialidades médicas necessitando desses leitos, o hospital não pode ter toda uma equipe contratada de médicos enfermeiros e esse leito ficar ocioso, então quando a demanda por internação reduz há uma movimentação quase que automática de utilização desses leitos para as outras especialidades, reduzindo então o número de leitos para Covid-19. Então, o que acontece? Nós temos uma redução do número de pacientes e aparentemente a nossa ocupação permanece alta mas essa taxa de ocupação permanece alta porque há uma redução no número de leitos destinados à Covid".

A secretária de desenvolvimento econômico, Patricia Ellen, explica que os números possibilitaram tanto a prorrogação da Fase de Transição quanto a possibilidade de alguns benefícios vistos na ampliação dos horários.

"Como houve essa estabilidade, essa conquista muito importante, [foi dado] um novo passo com um novo voto de confiança para podermos dar outro passo importante na retomada de atividades econômicas com a extensão de uma hora do funcionamento no comércio, dos serviços, de todas as atividades. Então nós temos a duração agora até às 21 horas para todas as atividades descritas: comerciais, religiosas, restaurantes, similares, salão de beleza, barbearia e atividades culturais, sociais, academias. Então para todos eles vale esse novo regramento e também a ocupação agora passa para 30% em todos os estabelecimentos. A nova vigência do toque de recolher é das 21h às 5h com o teletrabalho para atividades administrativas não essenciais", afirma.