Doria critica 'empresários gananciosos' por abrirem lojas durante isolamento

Doria disse que orientou o Procon a fiscalizar abusos nos preços dos chamados EPIs (equipamentos de proteção individual), que estão em falta no mercado

Comentar
Compartilhar
31 MAR 2020Por Folhapress17h33
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou nesta terça-feira (31) "empresários gananciosos"Foto: Agência Brasil

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou nesta terça-feira (31) "empresários gananciosos" por aumentar preços de equipamentos de segurança na área de saúde e por manter estabelecimentos abertos. O tucano, conhecido por exaltar a iniciativa privada, adotou um discurso duro em relação aos empresários que não estão respeitando a quarentena e se aproveitando da situação para lucrar.

Doria disse que orientou o Procon a fiscalizar abusos nos preços dos chamados EPIs (equipamentos de proteção individual), que estão em falta no mercado.

"Não considero de forma alguma a atitude correta, dada a demanda a crescer, que empresários gananciosos, não generalizando, mas alguns infelizmente estão fazendo essa péssima prática, eu diria até uma prática desumana, de aumentarem o preço de seus produtos dado o fato de que a demanda cresceu", disse Doria.

O tucano afirmou que busca aquisição de produtos de proteção fora do país, para atendimento à rede de saúde pública, além de pedir doações à China deste tipo de equipamento. Segundo o governo, até o momento não há falta na rede estadual, na contramão de relatos de funcionários.

Doria voltou a criticar empresários por abrir as lojas. "Empresários gananciosos e que querem colocar de forma impositiva colocar em funcionamento presencial negócios que não podem serão multados pelas prefeituras municipais, serão fechados pelas prefeituras municipais e poderemos ter medidas ainda mais duras àqueles que forem reincidentes", disse.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou que denúncias podem ser feitas para o 156 e que fiscais estão orientados a lacrar. O governador também não respondeu se pretende renovar ou não quarentena que, oficialmente, acaba no dia 7 de abril.