Diretor de cadeia é preso por exigir favores sexuais

O agente aposentado e seu filho também são suspeitos de tráfico de drogas. A reportagem não conseguiu localizar a defesa dos acusados.

Comentar
Compartilhar
14 ABR 2018Por Folhapress19h27
O diretor do presídio pedia favores sexuais em troca de transferências de presos.Foto: Ilustração/Fotos Púbicas

Uma operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público) e da Secretaria de Administração Penitenciária prendeu nesta quinta-feira o diretor do centro de ressocialização de Araçatuba (527 km de SP).

Ele é acusado de exigir dinheiro ou favores sexuais de advogadas e de parentes de presos para transferir os detentos para o presídio.

O centro de ressocialização é considerado uma cadeia de referência dentro do sistema prisional paulista e seu diretor tem autonomia para decidir quais prisioneiros podem ser transferidos para lá.

Um agente prisional aposentado e uma advogada de São José do Rio Preto (438 km de SP) também são acusados de participar do esquema.

O grupo, segundo o promotor Marcelo Sorrentino afirmou à TV Tem, afiliada da Globo, cobrava entre R$ 4.000 e R$ 10 mil das famílias dos presos para que eles furassem a fila e fossem transferidos para o presídio modelo. Ele disse que o grupo chegava a procurar familiares de detentos para oferecer o esquema de transferências irregulares.

O agente aposentado e seu filho também são suspeitos de tráfico de drogas. A reportagem não conseguiu localizar a defesa dos acusados.