X
Brasil

Decreto de Temer autoriza Forças Armadas no Rio só até dia 22, antes do carnaval

A solicitação de Pezão foi genérica e citava

Parentes de PM's fazem protesto em frente ao Batalhão de Polícia de Choque do Rio de Janeiro / Tomaz Silva / Agência Brasil

O Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 14, traz publicado o decreto do governo federal que autoriza o emprego das Forças Armadas "para a garantia da lei e da ordem na Região Metropolitana do Rio de Janeiro". O decreto atende parcialmente a pedido do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que foi encaminhado a Brasília há cerca de 20 dias. 

Como o jornal O Estado de S. Paulo mostrou na edição desta terça-feira, 14, Pezão pediu o patrulhamento das Forças Armadas entre os dias 12 de fevereiro e 5 de março, mas o decreto do presidente Michel Temer concede a autorização apenas para o período de 14 a 22 de fevereiro, ou seja, até a quarta-feira antes das festas de carnaval. 

Segundo uma fonte do Palácio do Planalto, a decisão pela liberação dos militares por um prazo menor se deu porque "não há elementos por enquanto que justifiquem as Forças Armadas ficarem no Estado por mais tempo". 

A solicitação de Pezão, a qual o jornal teve acesso, foi genérica e citava "aparente estado de tranquilidade" no Rio, porém pedia o emprego das tropas federais em mais de 50 pontos do Estado, incluindo Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense, e bairros como Deodoro, Centro, Tijuca e Arpoador, além de vias de acesso, como a Avenida Brasil. 

O governador alegou ainda que as tropas seriam necessárias por causa da "proximidade dos eventos carnavalescos, época em que o Rio recebe elevada quantidade de turistas". 

O pedido do governador destacou também necessidade da ação dos militares no entorno da Assembleia Legislativa, "durante o período de votação da cessão da Cedae e outras medidas de interesse do governo do Estado, que se inicia em 14 de fevereiro". 

A mesma fonte ouvida pela reportagem disse que o governo viu esse prazo muito estendido "como uma senha" que liberaria a PM do Rio para fazer greve, o que foi considerado "inaceitável". 

A Força Nacional de Segurança Pública já atua no Estado há três semanas. A iniciativa federal prevê que os soldados passem a executar o trabalho que cabe a 12 batalhões da Polícia Militar do Estado.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Itanhaém

Audiência pública discute propostas sobre zoneamento urbano em Itanhaém

Empresa Geo Brasilis apresentou informações técnicas sobre as características do município

Saúde

Ocupação de leitos de UTI de Covid-19 só aumenta na Baixada Santista

Região ainda não teve um único dia de diminuição de leitos ocupados durante todo o ano de 2022 segundo Seade

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software