Cristo Redentor será restaurado para celebração de 90 anos

Reforma será feita em parceria com instituições de ensino e pesquisa

Comentar
Compartilhar
27 OUT 2020Por Agência Brasil20h00
O Cristo Redentor é considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo ModernoFoto: Arquivo/Tomaz Silva/Agência Brasil

O Cristo Redentor, declarado em 2007, após votação popular pela internet, como uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, vai ser restaurado para as comemorações de 90 anos, que serão celebrados no dia 12 de outubro de 2021. 

Hoje (27), uma cerimônia no monumento marcou o início do Projeto de Restauro Cristo 90 anos, criado com base em estudos, levantamentos e pesquisas realizados pela empresa Cone Sul desde 2016 para a realização do trabalho de conservação preventiva e de tratamento de danos no monumento. A intenção é evitar a perda da materialidade e da forma original da escultura, além de prevenir o risco de acidentes.

O trabalho começou com levantamentos para colher informações necessárias ao tratamento e conservação que serão realizados, além da montagem do andaime multidirecional com escada modular, que vai permitir o acesso ao interior da escultura. Por meio dos levantamentos e das análises técnicas, será identificado o que pode pôr em risco a integridade do monumento. A intenção é ter projetos complementares estruturais, como as instalações do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e de programação visual, com tratamento preventivo. 

Tudo será feito em parceria com instituições de ensino e pesquisa, que realizam estudos semelhantes às demandas encontradas no Cristo Redentor, como as universidades federais de Juiz de Fora, de Outro Preto e do Rio de Janeiro.

O projeto, que segue as exigências do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Associação Brasileira de Normas Técnicas (NBR) conta com uma equipe multidisciplinar com cerca de 40 profissionais, entre engenheiros estruturais, elétricos, de segurança, geólogos, arquitetos, mestres, técnicos em escaneamento 3D, alpinistas, pedreiros e escultores.

A tecnologia da fotogrametria aérea e terrestre será usada para o levantamento cadastral. Com isso, milhares de fotografias serão tiradas por drones equipados com câmera de alta resolução. As imagens serão interpretadas em processo específico para obter informações confiáveis sobre a composição das faces do monumento. “A qualidade da visualização dos detalhes e patologias depende da umidade. Dessa forma, todo o levantamento fotográfico é realizado somente em dias chuvosos por drones de alta performance”, informou a assessoria do monumento.