X
Brasil

Creche municipal fecha e deixa bebê de 7 meses trancado sozinho em SP

O menino foi resgatado pelo próprio pai, o agente de trânsito Wellington Elias dos Santos Júnior, 20, que foi obrigado a escalar o telhado de vizinhos

Uma criança de apenas sete meses foi abandonada na terça-feira (20) por funcionários na CEI (Centro de Educação Infantil) Céu Estrelado, em Guaianases, na zona leste da cidade de São Paulo.

A unidade é conveniada da prefeitura, sob gestão João Doria (PSDB). O menino foi resgatado pelo próprio pai, o agente de trânsito Wellington Elias dos Santos Júnior, 20, que foi obrigado a escalar o telhado de vizinhos da creche para entrar no prédio.

A atendente Caroline Figueiredo Costa, 18, afirma que ligou para a creche informando que o marido iria atrasar um pouco para buscar o filho, por causa do temporal que atingiu a capital paulista na tarde de terça-feira.

"Avisei que ele chegaria uns 10 minutos atrasado, porque a chuva atrapalhou todo mundo", afirma Caroline.

Segundo relato da mãe, Wellington chegou na creche por volta das 16h40, cerca de 20 minutos depois do horário em que costuma pegar o menino normalmente. Ele chamou, gritou e ninguém atendeu. Decidiu então ir à casa da sogra perguntar se alguém da família já tinha levado a criança e foi surpreendido ao descobrir que não estava lá.

O pai voltou para a creche e vizinhos perceberam que havia uma criança chorando dentro do prédio. Wellington então subiu pelo telhado de um vizinho, arrancou a tela de uma janela e saiu da creche com o filho no colo.

"A professora disse hoje [quarta-feira] de manhã que foi embora às 17h, mas como se meu marido chegou às 16h40 e não tinha mais ninguém?", questiona a mãe.

Segundo Caroline, a criança tem refluxo e não pode ficar sozinha -sob risco de engasgar. Ela registrou boletim de ocorrência no 44º DP. Segundo a polícia, as testemunhas e os responsáveis estão sendo ouvidos.

"Para uma criança, isso é trauma. Ele não vai conseguir ir para a creche tão cedo", afirma Caroline.

Outro lado

A Diretoria Regional de Educação de Guaianases, ligada à gestão Doria, diz que considera o caso "inadmissível" e que exigiu a demissão da diretora, da coordenadora e da professora responsável, contratadas pela entidade mantenedora da creche.

Segundo a diretoria, a creche funcionou nesta quarta com supervisão direta e nesta quinta já teria novos funcionários. O órgão diz que exige uma série de requisitos que devem ser cumpridos pela conveniada. A direção da creche não foi localizada.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Polícia prende dois homens suspeitos de tráfico de drogas em São Vicente

Os agentes estavam em um patrulhamento preventivo pela Rua Antônio Luís Barreiros, no bairro Japuí, quando encontraram dois homens na trilha do surfista

Tragédia

Homem de 23 anos morre afogado ao tentar buscar bola de futebol no mar

Segundo informações do Grupamento de Bombeiros Marítimos (GBMar), o afogamento aconteceu na Praia Preta

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software