Covid-19: Campinas impõe toque de recolher e fechamento de comércio

Restrições para conter casos da doença valem até o próximo dia 30 deste mês

Comentar
Compartilhar
22 JUN 2021Por Gazeta de S. Paulo17h09
Fiscalização do toque de Recolher feita pela GM em Campinas, no interior de SPFiscalização do toque de Recolher feita pela GM em Campinas, no interior de SPFoto: Divulgação/PMC

Com taxas de ocupação em colapso, a cidade de Campinas, no interior paulista, iniciou um toque de recolher e fechamento de atividades no período noturno para tentar conter o aumento de casos de covid-19. As medidas, que foram publicadas no Diário Oficial da prefeitura municipal e valem até o dia 30 de junho.

Com isso, serviços, comércios e demais atividades são proibidas de funcionar entre 19h e 5h da madrugada, inclusive padarias e supermercados. Até este horário, todas as atividades permitidas na fase de transição do Plano São Paulo podem funcionar, desde que respeitem o limite de 40% na capacidade de atendimento.

A prefeitura de Campinas estabeleceu, ainda, um toque de recolher de pessoas e de veículos entre 19h01 e 4h59 da manhã. Bares continuam proibidos de funcionar nesse período, podendo atender apenas por delivery (entrega) e retirada.

Também está proibido o consumo de bebidas alcoólicas em vias e espaços públicos e nas dependências de postos de combustíveis entre 19h e 5h. A multa é de R$ 1.515,44 para quem for flagrado descumprindo a regra e de R$ 3.030,88 para o estabelecimento onde essa infração ocorrer.

“Estamos conduzindo o enfrentamento da pandemia com o maior equilíbrio possível. As medidas restritivas prejudicam setores importantes da cidade, mas todos estão vendo a fila de pacientes esperando internação. Os indicadores de monitoramento da pandemia acenderam o alerta e, por isso, estamos adotando as medidas focando nos horários e nos exageros das atividades que mais contaminam. Nosso esforço é para salvar vidas e para ampliar a vacinação. Precisamos da compreensão da população”, disse o prefeito Dário Saadi.

Até a última sexta-feira (18), quando o último boletim epidemiológico foi divulgado, Campinas tinha uma taxa média de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) em torno de 94%. Mas considerando-se apenas as UTIs públicas, tanto municipal quanto estadual, a ocupação média era ainda maior - em torno de 99% - com uma fila de 32 pacientes adultos aguardando vaga de internação por síndrome respiratória aguda grave.

Aglomeração zero

No último fim de semana, a prefeitura de Campinas iniciou a Operação Aglomeração Zero, que visa evitar e dispersar a aglomerações na cidade.

“A nossa prioridade é intensificar a fiscalização de aglomerações, sejam elas em vias públicas e também perto de bares e postos de combustíveis, que é onde está ocorrendo a transmissão. Precisamos da colaboração da população, principalmente dos mais jovens, que tenham consciência e não se aglomerem nestes locais, principalmente com o uso de bebida alcoólica”, disse o prefeito.

Somente entre a noite de sábado (19) e a madrugada de domingo (20), as equipes de fiscalização da prefeitura dispersaram 2.261 pessoas que estavam em bares e festas na cidade, desrespeitando as regras que impõem distanciamento social e uso de máscara. Três estabelecimentos foram fechados.

Também foi autuado e multado o organizador de uma festa clandestina com 150 pessoas, que ocorria em uma chácara no Jardim Novo Sol, no Distrito de Ouro Verde. O organizador foi multado em R$ 18.943,00.