Coronavírus: cuidados com os pets na quarentena

Confira algumas orientações para auxiliar nesse momento de quarentena

Comentar
Compartilhar
30 MAR 2020Por Da Reportagem22h00
Saiba o que fazer para entretê-los durante a quarentenaFoto: Edjane Madza

Lavar as mãos com frequência, usar álcool em gel, redobrar o cuidado com a higiene e ficar o maior tempo possível em casa são algumas das orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para minimizar a incidência do contágio do novo coronavírus. Mas quais são os cuidados que devem ser tomados com os animais de estimação? É necessário aumentar a frequência dos banhos nos pets? O que fazer para entretê-los durante a quarentena? Durante este período, muitas dúvidas surgem e a DrogaVET traz algumas orientações para auxiliar os proprietários dos pets nesse momento de quarentena.
 
1 – O pet pode contrair o coronavírus?
Essa é uma dúvida corriqueira dos donos de animais de estimação.  Segundo Andressa Felisbino, veterinária da DrogaVET, os pets não contraem ou transmitem o novo vírus, mas podem carregar baixa carga viral por meio dos pelos e patas, caso sejam expostos a um ambiente contaminado. "Para evitar que isso aconteça, deve ser acrescentado à rotina diária de cuidados, a higienização completa do pet com lenço umedecido e não há a necessidade de aumentar a frequência de banhos do animal. "A rotina deve continuar a mesma. Banhos uma vez por semana ou a cada quinze dias, conforme a necessidade. A própria DrogaVET manipula lenços umedecidos com ativos higienizantes na concentração correta, de modo a não prejudicar a pele, patas e pelos dos pets", comenta.
 
2 – Como faço para dar banho em casa no meu pet?
Segundo a veterinária, é necessária atenção redobrada nesse caso. "É importante ter cautela com a água próxima à região dos ouvidos e secar os pelos do pet corretamente para evitar dermatites, infecções e proliferação de fungos", orienta.
 
3 – E como deve ser a higienização do ambiente?
Além da higienização do animal, é preciso limpar o ambiente, se possível, uma vez ao dia. "Para a casa em geral, recomendamos que seja feito o uso de produtos a base de hipoclorito de sódio, popularmente conhecido como água sanitária, mas evitar usá-la nos locais onde o pet fica acomodado por mais tempo. Nesses locais, a recomendação é para que a limpeza seja feita apenas com amônia quaternária", explica Andressa. O produto possui baixa toxidade e pode ser encontrado facilmente em pet shops.
 
4 – Como minimizar o estresse do pet ocasionado pelo movimento mais intenso em casa?
Com a quarentena vieram também as mudanças na rotina de muitas famílias. Escolas suspenderam as aulas presenciais, funcionários estão trabalhando em home office e a casa está muito mais cheia e movimentada. Andressa pontua que a maioria dos pets adora a família reunida e, mesmo com a mudança, muitos vão se adaptar. "Porém, diante do longo período de isolamento, alguns animais podem vir a desenvolver ansiedade, estresse ou, até mesmo, depressão. É preciso estar atento ao comportamento do pet e aos prováveis sintomas", alerta a profissional.

Segundo a especialista, no caso da depressão, os principais indícios são a tristeza profunda, falta de apetite e a rejeição ao toque físico. "Já o animal com estresse pode apresentar coceira constante, perda de apetite, diarreia, respiração ofegante e agressividade", pontua a veterinária.

Para evitar possíveis momentos de estresses, Andressa orienta a estabelecer horários específicos para o trabalho, atividades escolares das crianças e sempre que possível incluir o animal de estimação nos momentos de descontração dentro da própria residência, já que, neste período, passeios devem ser evitados.
 
5 – Com a impossibilidade de fazer passeios, que atividades posso fazer com meu pet em casa?
Mesmo com os passeios suspensos, os animaizinhos continuam precisando de atividade física diária para gastar suas energias. "Algumas alternativas são: subir e descer escadas do prédio ou de casa, jogar a bolinha para ele buscar, usar brinquedos interativos ou, ainda, montar um circuito com cadeiras em um corredor", explica a profissional da DrogaVET.